quinta-feira, junho 30

Estou feliz e vou beber um copo...


Raramente falo ou comento acerca de algo ou alguém sem que tenha conhecimento ou bases que sustentem aquilo que digo;

Aprendi que generalizar é dos piores exercícios de análise que se podem fazer quando se opina ou em juízos de valor:

A pior defesa de um ideal é fazê-lo por analogia de uma ideologia antagónica;

O Anonimato é ter medo de se assumir como ser humano e ter medo de um dia descobrir que afinal estava errado no julgamento, furtando-se assim ao tão difícil reconhecimento do erro;

Só quem não sabe o que é o silêncio imposto se escuda no anonimato; em democracia e liberdade, quem me tentar calar a voz, pode fazer-me a vida negra, mas não caio sem luta...

Sei que pode não fazer sentido para a maioria, mas quero aqui dizer que não esperava fazer este "post" tão cedo.

Vou gritar: NÃO FOI DESTA QUE ME AGARRARAM :):):)

O "DREAD" SAMPAIO



Do "pá" ao "tásse"...


A BRONCA...


A Bronca dos "Broncos"

DIPLOMACIA À SAMPAIO


Diplomacia Presidencial??

PARA GRANDES MALES... GRANDES REMÉDIOS??


O Projecto

UM REFUGIADO NA ONU...


Um Refugiado em Washington...

Este Blog é apolítico, pobrezito, já está pago, isento de IVA... ( sujeito a alterações consoante a disposição do autor)

segunda-feira, junho 27

AVISO de RESTAURO

Avisam-se os visitantes do COISAS que está a ser feito uma operação de renovação do template... isto estava a fica pesadito...

terça-feira, junho 21

Carta aberta aos Bandidos


Por Ricardo Araújo Pereira, in Visão

Estimados bandidos,

De acordo com relatórios do Ministério da Administração Interna, a criminalidade dos gangs aumentou 460% em sete anos. Creio ser seguro afirmar que nenhuma outra actividade teve, em Portugal, um sucesso que sequer se assemelhe a este. Se alguma classe profissional tem levado a sério o apelo patriótico do Presidente da República para fazer um esforço no sentido de da o melhor se si ao País, é a vossa.

Não posso, no entanto, deixar de colocar fortes reservas à vossa última iniciativa.
É certo que a notícia correu o mundo, e é inegável que isso, juntamente com os êxitos de José Mourinho, contribui para prestigiar o nome de Portugal lá fora.

Mas mobilizar 500 marmelos para assaltar uma praia é simplesmente estúpido. Com meio milhar de meliantes bem organizados, vocês podiam ter assaltado a agência sede da Caixa Geral de Depósitos e trazido o cofre-forte ao colo. Duzentos e cinquenta de cada lado e levavam aquilo em peso para casa.

A assaltar uma praia, parece-me óbvio que deveriam ter escolhido praias de gente rica, como a dos Tomates, a do Ancão ou as de Vilamoura. Num dia bom, talvez conseguissem palmar o helicóptero do Manuel Damásio.

Já a praia de Carcavelos, meus amigos, o que é que têm para roubar? Por mais que me esforce, não consigo deixar de imaginar a vossa reunião após o arrastão como uma cena patética do tipo:

Bandido: Muito bem, vamos lá dividir o produto do roubo desta tarde. Este bronzeador solar de factor 30 fica para mim. Mãozinhas, ficas com este par de raquetes. Aqui o tupperware de pataniscas de bacalhau é para o Zé Naifas. E os outros 497 dividem este tacho de arroz de tomate embrulhado em papel de jornal.

RÍDICULO, não vos parece? Sei que a minha opinião de leigo, provavelmente, conta pouco, mas não faria mais sentido dividirem-se em grupos de 50 (que já assustam) e assaltarem dez praias em vez de uma? É uma questão de aritmética simples.

Se me permitirem a observação, estou convencido de que vocês, bandidos nacionais, são como os empresários portugueses – e digo isto sem pretender ofender-vos de modo algum. Têm iniciativa, sim senhor, mas falta-vos a visão estratégica e, sobretudo, formação.

Pois não é evidente que os vossos negócios se desenvolvem menos bem na praia do que, digamos, no campo? Mantém-se o contacto com a natureza e o trabalho ao ar livre – que, pelos vistos, vocês tanto prezam - , e tem duas vantagens que entendo como fundamentais: primeira, há muito mais coisas para roubar; segunda, eu vou à praia de vez em quando, mas não jogo golfe.

Pensem lá bem nisso e continuação de bom trabalho.

Um abraço a todos do

Ricardo

PS – Não sei qual de vocês ficou, aqui há tempos, com o meu auto-rádio. Se ainda não foi vendido, uma dica: Lá dentro ia um CD do Sérgio Godinho, o Rivolitz. Tenham isso em atenção na altura de fazer o preço, porque é um belo álbum ao vivo.

TOMEM CONTA DOS VOSSOS COLEGAS!


Notícia do "New York Times"

Os Gerentes de uma Editora estão a tentar descobrir, porque ninguém notou que um dos seus empregados estava morto, sentado à sua mesa, há CINCO DIAS, antes que alguém lhe perguntasse se estava bem?!

George Turklebaum, 51 anos, que trabalhava como Verificador de Texto numa firma de Nova Iorque há 30 anos, sofreu um ataque cardíaco no andar onde trabalhava (open space, sem divisórias) com outros 23 funcionários. Ele morreu tranquilamente na segunda-feira, mas ninguém notou até ao sábado seguinte pela manhã, quando um funcionário da limpeza o questionou, porque ainda estava a trabalhar no fim de semana.


O seu chefe, Elliot Wachiaski disse:

"O George era sempre o primeiro a chegar todos os dias e o último a sair no final do expediente, ninguém achou estranho que ele estivesse na mesma posição o tempo todo e não dissesse nada."

"Ele estava sempre envolvido no seu trabalho e fazia-o muito sozinho."


"A autópsia revelou que ele estava morto há cinco dias, depois de um ataque cardíaco."


Sugestão:
De vez em quando acene ou abane os seus colegas de trabalho.
Mais vale prevenir...!

segunda-feira, junho 20

A corrida de canoa...


Era uma vez a equipa portuguesa de canoagem

Uma sociedade portuguesa e outra japonesa decidiram desafiar-se todos os anos numa corrida de canoa, com oito homens cada.

As duas equipas treinaram duramente, e quando chega o dia da corrida cada equipa estava no melhor da sua forma. No entanto os japoneses venceram com mais de um quilómetro de vantagem.

Depois da derrota, a equipa estava desanimada. O director Geral decidiu que no ano seguinte deveriam ganhar e por isso criou um grupo de trabalho para examinar a questão.

Depois de vários estudos, o grupo descobriu que os japoneses tinham sete remadores e um capitão.

No entanto, a equipa portuguesa só tinha um remador e sete capitães.

Face à situação de crise, o Director Geral fez prova de grande sabedoria: contratou uma empresa de auditoria para analisar a estrutura da equipa portuguesa.

Depois de longos meses de trabalho, os especialistas chegaram à conclusão de que na equipa havia capitães a mais e remadores a menos. Com base no relatório dos especialistas, foi decidido mudar a estrutura da equipa.

Haveria agora quatro comandantes, dois supervisores, um chefe dos supervisores, e um remador. Concluindo, intruduziram-se uma série de novas medidas para motivar o remador: “Devemos melhorar o quadro de trabalho, motivá-lo e atribuir-lhe mais responsabilidade”.

No ano seguinte os japoneses venceram com dois quilómetros de vantagem.

Os responsáveis da sociedade despediram o remador por causa dos maus resultados no seu trabalho.

No entanto foi entregue um prémio aos restantes membros recompensando-os pela forte motivação que incutiram na equipa.

O director Geral prepara uma nova análise da situação, na qual fica demonstrado que foi escolhida a melhor táctica, que a motivação era boa mas que o material devia ser melhorado. Neste momento estão a ponderar a substituição da canoa.

nota: a história passa-se com nipónicos; espero que não me acusem de xenófobo.

domingo, junho 19

A VERDADE VEM SEMPRE ACIMA

PARA QUEM DUVIDAVA DO REAL VALOR DA SELECÇÃO GREGA:

Classificação do grupo B da Taça da Confederações:

1. México 6 pontos
2. Brasil 3
3. Japão 3
4. Grécia 0


Nem um golo marcado, só derrotas e a qualificação para o Mundial 2006, por um fio...

Grande futebol têm os gregos!!!

GRANDE TIAGO


GP EUA: Tiago terceiro

Tiago Monteiro (Jordan-Toyota) tornou-se hoje o primeiro piloto português a subir ao pódio de uma corrida de Fórmula 1, ao terminar em terceiro no Grande Prémio dos Estados Unidos, nona prova do Mundial, ganho pelo alemão Michael Schumacher (Ferrari).

in:record edição online

quinta-feira, junho 16

sábado, junho 11

A Hélia

De dia para dia, cada vez mais gosto de visitar e participar nesta roda de gente bonita; perdem-se uns vícios, ganham-se outros (bem mais saudáveis. O fumo já era...):

A Hélia


Há muitos anos, ainda longe da moda, já a Hélia andava com o umbigo à mostra. Mostrava assim que era humana e não um andróide qualquer. Eu, que nunca gostei de andróides, tinha a esperança que um dia pudéssemos ter acesso directo a esse bilhete de identidade natural do humano. Talvez fosse bom que também os homens andassem com o umbigo à vista: poderíamos confirmar melhor a natureza inumana de algumas bestas.
Mas a Hélia tinha a vantagem de ter um umbigo que dava gosto ver.
Conheci-a numa praia africana, quando andava à procura de estrelas do mar. Eu e ela. Uma coincidência. Coincidência também de nem eu nem ela termos encontrado uma estrela do mar que fosse. Bom... eu encontrei-a a ela: uma estrela quente, brilhante, luminosa e sensual. A arte de envolver, em pessoa. Foi em África. Só podia ser em África encontrar tão grande e bela luminosidade. Foi um fogo que ardia em chama viva, derretia as entranhas e fazia desejar os infernos. Corríamos como doidos pelas areias escaldantes, fugindo cada pé do fogo de quartzo, desejando voar até à próxima sombra para não sofrer os horrores dos pés queimados e prometendo não mais andar descalços por ali.
Mas Hélia era um apelo à nudez. Nudez total. Nem sapatos, nem chapéus, nem lenços, nem tatuagens, nem alianças...
Vivemos demasiado perto do frio. Estamos a apenas trezentos graus do zero absoluto que é a morte. Do lado do calor temos milhões de graus de possibilidades. É no calor que se preparam os novos mundos e os novos universos. É o calor que tudo recicla até à exaustão da absoluta novidade. Hélia foi e será, para mim, essa total liberdade da vida e da emoção, esse potencial de renovação e de sobrevivência, em suma a marca absoluta do amor.
Depois, separadamente, regressámos. Aqui ela é menos Hélia do que era. E eu também me tornei menos sensível aos seu encantos. O tempo passa à mesma velocidade para toda a gente, mesmo quando não parece, e os destinos vão-se construindo com afastamentos e aproximações mais ou menos aleatórias.
Um dia destes telefono-lhe para saber das suas aventuras. Saber como se tem dado com os novos tempos, com as novas políticas, com o novo mundo.
Mas não há-de ser agora. Não quero que saiba que estou com a Chris. Ela não compreenderia. É difícil imaginar personalidades mais antagónicas.
Lembrei-me de Hélia, ontem à tarde, quando estava com a Chris na praia de Carcavelos. O excesso de luminosidade impedia-me de me concentrar na leitura e o calor na cabeça levou-me para as memórias de Hélia. A Chris enchia todo o espaço debaixo do chapéu de sol e ia-se arrefecendo com cornetos e aquecendo com bolas de berlim e línguas de sogra caseiras. O ambiente estava ainda mais barulhento do que é costume. Até passaram por cima de mim a correr, para além de levar boladas e com chapéus de sol voadores. Só à noite é que vi no telejornal que tinha havido um tsunami humano na praia de Carcavelos. Não dei por nada. Tenho que reconhecer que a proximidade da Chris me protege.

Ivo Cação

in: dias que voam - blog

10 de Junho II - Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades de Tsunamis Humanos...


foto de: Hélder Gabriel/Lusa
Pensava eu que iria ser um dia tranquilo e toma lá José Júlio... toca a trote para Carcavelos, para ir ter com a rapaziada, que por ali ferveu um Tsunami de desamparados da sociedade.
Não falta já quem venha defender uma série de coitados de uns discriminados, que por não poderem alcançar o que vêem aos indígenas cá do rectângulo, têm estes comportamentos trogloditas, primários (disse primários, não primatas).
Porra, adorava ter aquele último modelo da BMW, o série 7. Logo à noite vou encostar o "canhão" à pinha do primeiro felizardo proprietário de um desses pó-pós e obrigá-lo a passar-me a cavalagem para as unhas.
Começo a estar farto de ser políticamente correcto; à pala disso, cheguei agora, às 07H00 porque tive de andar a controlar grupos de Anarquistas, Skins, etc...todos eles a jurar vingança.Que se lixe o políticamente correcto; estou farto desta cambada de parazitas.

Bom Sábado e já sabem... se forem à praia, controlem o sol, a hidratação e tenham atenção aos Tsunamis humanos...


quinta-feira, junho 9


Ui...

Este Blog é apolítico, pobrezito, já está pago, isento de IVA... ( sujeito a alterações consoante a disposição do autor)

terça-feira, junho 7

ARDE PORTUGAL...



Todos os anos a mesma coisa. Em Junho, sempre mais do mesmo. A minha terra arde. Aquela que já foi a maior mancha contínua de pinheiro bravo da Europa deixará de existir nos próximos 3 anos. Será depois candidata à maior massa de montanhas carecas e despovoadas, e um planalto pretendente ao título de extensão europeia do deserto do Magreb. Já quase não se resinam pinheiros na minha Beira Baixa. Aquilo arde a olhos vistos e os diligentes e preocupados governantes deste país continuam a debater as demolições na orla costeira com maior urgência que desbloquear os meios aéreos de combate ao fogo. É vergonhoso só haver dois helicópteros disponíveis para combate a incêndios.

Deve ser por causa do déficit...

domingo, junho 5

APOSENTAÇÃO



APOSENTAÇÃO

Novas Regras - Limite de idade (65 anos)

Adequação dos Organismos ao limite de idade para aposentação:

Tendo em vista a nova idade mínima para aposentação, sugerimos que sejam tomadas algumas providências para sobrevivência de toda e qualquer
empresa:

1. Transformação das escadas existentes em rampas com corrimão não escorregadio;

2. Colocação de suporte para apoio nas casas de banho após a ampliação para possíveis cadeiras de rodas;

3. Substituição de todo o sistema de telefones, por aparelhos mais modernos que possibilitem que a perda de audição provocada pela idade avançada, seja compensada com o aumento de volume amplificado;

4. Aumento de tamanho de todas as fontes de impressão dos documentos emitidos a partir desta data, possibilitando a leitura em futuro próximo;

5. Compra de lentes de aumento para distribuição aos funcionários;

6. Aumento de tamanho dos monitores de computador para 27 polegadas;

7. Implementação dos seguintes tipos de falta não descontada:

Ø Esquecimento do local de trabalho;
Ø Esquecimento de como se faz o trabalho;
Ø Falta de ar;
Ø Incontinência urinária;
Ø Dor nas costas;
Ø Comparência em funeral de colegas que estavam prestes a
aposentar-se.

8. Implementação de porta bengalas em todas as mesas de trabalho;

9. Despertador individual para casos de sono diurno;

10. Aumento das letras de todos os computadores;

11. Instalação de uma UTI Geriátrica de última geração;

12. Aumento do "time-out" para o encerramento das portas dos elevadores, tendo em vista a agilidade de locomoção dos funcionários ainda existentes;

13. Aquisição de armários para fraldas e remédios para uso dos funcionários;

14. Proibição de qualquer actividade ou vestuário dos funcionários mais novos que possa provocar ataque cardíaco ou desregulamento do marca-passo do colega, próximo da idade mínima em questão;

15. Criação de exercícios físicos voltados para a terceira e quarta idade;

16. Revisão da avaliação de desempenho do funcionário, incluindo o item "Lembrança da Senha", sendo que o funcionário, prestes a aposentar-se nos termos da lei, que ainda se lembre da sua senha, tenha a nota máxima neste item;

17. Alteração nas instruções de pedido de aposentação;

18 Incluir Atestado de Óbito.

43 títulos nacionais



05-06-2005
Atletismo

43 títulos nacionais já cá cantam

O atletismo do Sporting, quer em masculinos quer em femininos, voltou a dar mais um sinal de estar ao mais alto nível. Se na passada semana, os atletas verde e brancos tiveram um comportamento brilhante na Taça dos Clubes Campeões Europeus, desta feita os “leões” sagraram-se campeões nacionais.

A equipa masculina de atletismo conquistou em Leira o 43.º título nacional, o nono em dez anos. No que diz respeito à formação feminina, o Sporting venceu o 36.º campeonato, sendo que as atletas “leoninas” não sabem o que é o sabor da derrota nesta prova há 11 anos, o que significa que desde 1995 até 2005 o Sporting “limpou” todos os campeonatos nacionais. O atletismo, no espaço de uma semana, transformou o seu vigor em resultados desportivos, sinal de que a modalidade já deu e continuará a dar ao Sporting títulos importantes e a notoriedade que o Clube merece a nível nacional e internacional.

A equipa de masculinos do Sporting somou 156 pontos, ficando à frente de FC Porto e Benfica, que conquistaram 116 e 115 pontos, respectivamente. A formação feminina ficou com 147 pontos, deixando para tás o JOMA e o CAM, com 113 e 105 pontos.

De salientar que os homens ficaram em primeiro lugar por 11 vezes, com Rui Silva e Francis Obikwelu a repetirem a façanha, já que ficaram em primeiro nas provas de 1500 e 3000 mil metros e nos 100 e 200 metros, respectivamente.

As “leoas” ficaram em primeiro por nove vezes, ocuparam a segunda posição por quatro vezes.

Classificação geral masculina

1.º SPORTING – 156 pontos; 2.º FC Porto – 116; 3.º SL Benfica – 115.

Classificação final feminina

1.º Sporting – 147 pontos; 2.º JOMA – 113; 3.º CAM – 105

mais em: sporting on line

 

ESTE BLOG FOI OPTIMIZADO PARA VISUALIZAÇÃO EM 1024X768 Pixels em Google -Chrome,ver. 24.0.1312.57 m ©COPYRIGHT© de Júlio Vaz de Carvalho. ©COISAS 2004-2015, é um WEBBOLG da responsabilidade do seu autor, o seu conteúdo pode ser reproduzido, sempre que referidas as fontes e autores. Todos os textos, notícias, etc., que sejam da responsabilidade de terceiros (pessoais ou institucionais,serão devidamente identificados, sempre que possí­vel, bem como serão referidos os locais a partir dos quais poderão ser consultados no contexto original.Todos os trabalhos publicados por colaboradores do blog,podem ser copiados e divulgados, sempre que seja indicada a sua origem, não carecendo de autorização dos mesmos, caso aqueles assim o manifestem. COISAS, é um Blog quase APOLíTICO e não se rege por ideias pré-concebidas unicamente apoiando causas de reconhecido interesse para a Humanidade, sempre que elas sejam isentas e objecto de reconhecimento universal que vão desde a luta contra os cocós dos Lu-Lus a minar os passeios à legítima pretenção de ver restaurada a Monarquia em Portugal.

Who Links Here