terça-feira, março 28

A gargantilha roubada

Muitas horas mediavam já entre captura de Jorge e a inevitável ida para a 3ª Esquadra da PSP do Funchal, imenso, aliás, tendo em conta que entre o crime e a dita, só tinha passado o tempo que levava a dobrar a esquina e dar de caras com o cívico de serviço permanente ao Banco de Portugal. O azarado larápio, após efectuar um roubo por esticão, apoderando-se de uma gargantilha de ouro que reluzia no pescoço de uma turista, encetou uma fuga abruptamente travada pelo choque com agente de serviço à Instituição. Este, logicamente, viu logo que, a julgar pela velocidade, a correria não seria fruto do treino para a S. Silvestre; essa é uma prova de fundo. A seguir, já se imagina. A vítima acusou-o de roubo, ali no local e o Jorge lá foi dar com os costados na Esquadra.

Cumpridas as formalidades da detenção, antes de se iniciar a feitura dos autos respectivos, cumpriu-se o ritual da revista integral ao arguido. Desde a inevitável navalha, bem afiada (dizem sempre que é para cortar a fruta, depois de almoço, porque será!?), ao sacramental charrito e claro a sempre amiga “mixa”, que o Jorginho era multifacetado e não se dedicava só aos puxões, mas da gargantilha, nada. A senhora apresentava ainda as marcas do puxão no seu pescoço, branco ariano que seria imaculado, não fora os vergões encarniçados provocados no momento do ilícito.

- Onde está a “ourina” – perguntou-lhe o Tavares, recém promovido a subchefe e que fora colocado na Madeira em regime de deslocamento.

- E eu sei lá o que é isso; sei lá do que está a falar – ripostou o “gandim”.

- A “ourina”, sabes muito bem o que é. Cá, como lá no Continente, o significado é o mesmo, não te armes em anjinho e toca a falar.

- Não tenho nada comigo. Pode tornar a revistar-me. Já viu que não tenho nada. Não roubei nada, não sei porque estou aqui.

- Há várias testemunhas que te acusam, logo, não venhas para cá com cantigas. Confessa logo o que fizeste à gargantilha que roubaste antes que me salte a tampa, ouviste!? – O Tavares estava a começar a entrar em ebulição, mas o certo é que o tipo não tinha mesmo nada com ele. Teria ele lançado o produto do roubo para algum bueiro ao ver-se caçado pela polícia?

Entretanto, um dos turistas que acompanhavam a vítima, à custa de um alemão misturado com inglês e com muita mímica à mistura, lá desvendou como o meliante se desembaraçara do ouro. Quer dizer, não foi bem desembaraçar, foi mais esconder. O tipo tinha metido a jóia na boca e tinha-a engolido, nem mais! Agora, ali estava o traste, com ar de “engole espadas” e a gozar o pagode.

- Como é? Tens essa mera no bucho, não é?

- Venha cá ver se apalpa alguma coisa. Pode ser que chocalhe…

- Eu é que te chocalho seu cabrãozito… ainda estás a gozar!... – o Tavares estava prestes a entrar em órbita.

Entre uma série de berros e de o informar que iria fazer um raio-x no hospital e que lhe seria aberto o estômago e os intestinos caso o colar não saísse pela cloaca do larápio, eis que entra um oficial superior do comando, trajando civilmente, tido por ser mais duro com os seus subordinados que propriamente com os criminosos, tudo à custa da “boa imagem” e dos direitos dos arguidos que não poderiam ser expostos ao que ele chamava de “humilhações desnecessárias”. A imagem de defensores de todos os direitos, à luz da sua interpretação desses direitos, não admitia que se aumentassem os decibéis das questões feitas perante evidentes criminosos.

- Pronto, já vai haver merda, disse alguém entre dentes.

- Eh, Pá! Pois é, está tudo estragado.

- Então que se passa aqui? – a frase fora dura, mas curta e logo não deu sequer para se denotar a gaguez do oficial. Sim, porque o senhor, patinava a fala, em especial em situações que impunham mais celeridade no diálogo ou quando o clima era mais tenso.

- Meu Comandante, boa noite. Está ali aquele “melro” que roubou uns turistas que estão ali dentro. “Esticou” uma gargantilha em ouro que não aparece e ele nega-se a dizer onde está. Suspeitamos que a tenha engolido.

- E é assim que...que...que se resolvem as coisas? Queeem quer que pa...a..a..asse lá fora, pen...en...ensa que estã...ã...ão aqui a to...o...orturar al...al..guém! Quem oiça a grita...a...aria, que pensará? E estes se...e...enhores? Lá no país de...e...eles não estã...ão habituados a estas co...oisas. Acham que vão fa...a...alar bem dos métodos da po...o...olícia portuguesa pe...pe...perante esta vergonha? Que imagem quer o Sr. Su...su...subchefe que eles levem da Madeira? – escandalizado, o oficial lá continuou o seu discurso, longo e censurador, uma autêntica ode à boa prática de interrogatórios policiais, rematado com um mini tratado de abordagem a um ladrão. O Jorginho estava alheado com a chegada deste salvador. Com um bocado de sorte, o “Garganta Funda” ainda ia seguir o seu caminho em paz e mais tarde lá aliviaria o produto do roubo, algures no meio de um campo de bananeiras, mas se aquela “treta” ficasse dentro do bucho ou da tripa fétida, a coisa poderia ficar feia. O seu semblante era visivelmente de preocupação perante a possibilidade de ter de expor as suas entranhas à curiosidade alheia. Ninguém lhe garantia até que, caso tal sucedesse, que um dos assistentes do “evento” tivesse já sido vítima de uma das suas “diabruras”. O tipo estava preocupado e sob esse ponto de vista, tinha razão e quase dava dó, só de pensar. O “anjo salvador” aproximou-se então junto dele preparando-se para demonstrar como se lidava com este tipo de situações. Parou mesmo diante do malandro, que permanecia sentado, entrelaçando os dedos, visivelmente nervoso e alheado do episódio anterior. Jorginho permanecia de cabeça baixa.

- Entã...ã...ão rapaz, vamos lá con...on...onversar então – o benévolo oficial, mandou afastar os dois guardas que ladeavam o detido e colocou-lhe uma mão sobre o ombro – vá lá filho, conta lá o que se passou. Estes senhores gua...a..ardas não te ba...ba...bateram, pois não?...

O discurso estava fora da esfera de compreensão dos turistas que apreciavam a cena, sem entender bem o que se passava pela barreira linguística que nos poupava à vergonha e pela gagez acentuada, porque para os restantes, tirando uma ou outra palavra, já não era novidade. Apre, aquela era a versão mais lírica do “polícia bom” e do “polícia mau” que alguma vez eu apreciara. É que ela só é aplicada quando não se tem muita informação ou certezas acerca dos suspeitos, mas este, mais que suspeito era um arguido prestes a pedir que lhe fizessem uma lavagem ao estômago antes que empancasse a tripa. De repente, o mitra, apercebendo-se que a “guarda de honra” estava desguarnecida, endireitou o tronco e deparou-se com uma cara, bem à sua mercê e a pedir um afago nas faces. Aplicou um valente soco na cara do seu interlocutor que caiu para o lado desamparado enquanto os seus óculos descreviam uma parábola, desfazendo-se nas pedras da calçada da parada. Claro que o atrevido, foi logo dominado e evitou-se a sua fuga pela porta do Comando e após ser algemado, foi novamente sentado, sem que fosse molestado, após a agressão ao “maior” da casa, cumpriu-se a sua vontade de manter os direitos do arguido. Ferido, o oficial, escondendo o local da cara atingido por tamanha “pêra”, apontou para o ladrão e visivelmente afrontado lá disse a custo - Fo…ooo…oddda…asss.... pre.. pren… preen…prendam esse gajo - e foi-se embora, entre os risos abafados de todos os presentes (sem excepção, acho eu).

domingo, março 19

OS TRAPEZISTAS DE LIVERPOOL

Ainda ando a remoer a coragem de dois adeptos ingleses que vi entoando cânticos de exaltação ao seu Liverpool F.C. Nada de admirar, não fosse a particularidade de naquela noite estar um vento gelado, daquele que até bloqueia o cérebro e os tipos estarem vestidos com os calções e camisolas do clube e com umas bandeiras de pano fino. À falta de peixe frito com batatas fritas, os “beefs” lá aderiram à bela bifana e ao consagrado coirato e ali estavam eles, junto da rulote das respectivas, com uma litrada de cerveja com que alimentavam as entranhas e adormeciam a clarividência. No meio da populaça que espreitava, enregelada, para o televisor onde se via o jogo que decorria ali ao lado, no Estádio da Luz, estes teriam passado desapercebidos, já que trajando da mesma cor dos locais, loucos daqueles, em trajes quase menores, temos cá qb, agora passar o jogo todo, entre adeptos adversários, vangloriando os feitos do seu clube (não se calaram, mesmo quando o Benfica, quase no final da partida, desferiu o golpe de misericórdia nos visitantes). Talvez a velha aliança Luso-britânica tenha contribuído para os dois “supporters” serem tolerados entre a mole de lampiões que além do frio a que resistiam, viam os efeitos deste serem aumentados pela visão dos dois britânicos, ali em pêlo, sem que nada os fizesse vacilar. Há dias de sorte, digo eu. Mas, mesmo perdendo, lá foram eles confraternizar com todo o “fair-play” com outros adeptos, portugueses e ingleses.

O amor clubista presta-se a estas coisas e a natureza humana é propícia a vencer desafios, a alcançar metas, a atingir fins, competir e testar limites, sejam eles de grande importância e significado ou então coisas mais fúteis, como um mero jogo de “tetris” desses que temos nos telemóveis. Eu ando para bater o recorde da minha filha, há semanas e sinto-me muito próximo de o conseguir; sendo uma banalidade, serve de exemplo para demonstrar esse tal carácter de competitividade.

Findo o Benfica Liverpool, não demorou muito a que se esvaziasse a área envolvente na zona do Estádio da Luz. O tempo estava bom para comemorar noutros locais que não a rua. Vendo que as coisas estavam calmas no Metro, o comandante do policiamento mandou levantar a operação montada para a vigilância e acompanhamento no mesmo e tratei de recolher a minha rapaziada. O ponto de reunião era junto a uma das rulotes em frente ao Colombo, agora em tempo de levantar arraiais mas onde ainda se despachavam as últimas buchas e “bujecas”. Éramos sete e após saciarmos os estômagos com a famosa “fast-food” à portuguesa (deixem que os tipos da Mc.Donald’s se apoderem da ideia e ainda verão um dia uma versão yankee do belo coirato franshisada pelo globo), café bebido para assentar as gorduraças e toca a entrar para a carruagem do metropolitano, rumo aos Restauradores. A carruagem ia composta. Poucos eram os que vinham do Estádio. A grande maioria era os habituais utentes daquela hora, funcionários do centro comercial ou clientes que regressavam a casa, nada de gente eufórica, vinda do Estádio, daqueles que destabilizam sempre o ambiente, quer tenham ganho ou perdido. Connosco entraram cinco ingleses, todos na casa dos 35/40 anos que destoavam no meio dos passageiros não pelo seu aspecto de “bárbaros do norte”, mas sim porque entoavam cânticos, bem desafinados diga-se, glorificando o seu clube. Raios, os tipos tinham perdido mas mesmo assim, faziam um chinfrim do caraças. Bem, enquanto fosse só barulho, bastava ir de olho nos seus movimentos e no resto dos descendentes de Viriato que com ar tolerante lhes iam aturando as lengalengas. Somos mesmo um povo tolerante e hospitaleiro, pensei, enquanto os observava. Uma troca de olhares entre nós foi o suficiente para que se mantivessem todos alerta, não fosse algum lusitano mais nacionalista, armar-se em papoila saltitante, transformar-se em heroi e começar a desancar na bifalhada.

A certa altura da viagem, por entre cânticos que alternavam entre as glórias clubistas e explícitos achincalhamentos à Lusa Pátria e seus nacionais, dois dos britânicos dispuseram-se a efectuar algumas habilidades de tipo circense pendurando-se nas pegas de apoio do tecto, fazendo demonstrações de força braçal e baloiçando-se à laia de trapezistas de feira. Os “Mens” começavam a entrar na provocação mais que explícita; começavam a provocar um certo mal-estar e rapidamente se abriu um espaço em seu redor. Quem estava por perto decidiu sair dali para evitar problemas. Os destemidos ingleses, vendo os efeitos da sua acção, continuaram na sua conduta, cada vez mais espalhafatosa e aproveitaram para afastar mais alguns passageiros. A receita era óptima. Por aquele andar, à escala da carruagem, dentro de minutos teríamos um enclave britânico tipo Gibraltar, ali mesmo, dentro do comboio. A populaça já não estava a gostar muito da brincadeira e as coisas não estavam piores porque a língua dos Ilhéus era desconhecida para a maioria, além de estar misturada com valentes cargas etílicas que dificultavam a compreensão para quem percebia o inglês.

Eu observava esta cena muito próximo da fronteira do espaço conquistado pelos irrequietos senhores, tentando manter a calma enquanto jogava uma partida de “tetris” no meu telemóvel. Estava confiante que em breve os tipos se cansariam ou então sairiam no Marquês de Pombal e aí seguiríamos o grupo, para “espiar” os seus passos, não fossem fazer das deles. Ali dentro, era mais complicado intervir sem que houvesse danos colaterais e era melhor evitar confrontos entre a populaça, tanto mais que, à civil, é mais complicado actuar nestas situações. Eis quando, estando eu nestas cogitações, um dos “artistas” balança-se com mais força, bate com os pés no tecto da carruagem e no movimento descendente quase me atinge com as botifarras que trazia calçadas. Decidi que tinha de acabar com aquilo. Já estava a passar das marcas e a tolerância termina quando se entra nos limites do achincalhamento e da provocação. Dirigi-me ao “trapezista”, exibi-lhe a carteira policial e dirigi-me a ele num inglês de escola:

- Police. Enough. We will put an end to this, already.

O tipo, manteve-se pendurado nos apoios do tecto, olhou-me com desprezo total, “arreganhou” a dentuça e deve ter pensado lá para ele, o que seria que aquele peso- pluma ali em frente queria fazer com ele.

- Stop now – tornei.

- Fuck of… – o animal, além de mal-educado, era atrevido e logo encolheu as pernas para me pontapear.

Felizmente a minha reacção foi mais expedita, já que o tipo, além de já estar cansado, tinha os movimentos adormecidos pelos litros de cerveja que guardava no estômago. Segurei-lhe um dos braços e precipitei-me sobre ele, caindo ambos no chão da carruagem. Na tentativa de amparar a queda, a minha mão, em vez de assentar no chão, assentou-lhe na cara e logo por azar, era aquela em que tinha a carteira profissional, ficando-lhe marcado o distintivo da corporação na testa à laia de troféu de batalha. Os que o acompanhavam, ao ver a cena, acorreram em seu auxílio e não vinham certamente com vontade de me convidar para uma cerveja no Cais do Sodré. Mas rapidamente se viram dominados, um por um pelo resto dos polícias que iam discretamente embrulhados com os passageiros. Olhei em redor. O espaço “conquistado” pelos ingleses, além de retomado, tinha agora ficado mais deserto de utentes que antes da sua investida. O tipo, apesar dos apelos dos seus consórcios, que entretanto tomaram consciência da realidade, ainda continuava a tentar atingir-me, apesar de dominado por dois dos meus rapazes. Entre encontrões e bofetadas (nestas ocasiões há sempre quem aproveite para dar umas palmadas), uma velhota, a única que resistira sentada ali junto dos atrevidos ingleses, aproveitava para distribuir umas “frutas” e “carolos” no indivíduo, misturadas com uns certeiros e rápidos golpes da sua mala de mão; no meio da breve contenda, terá sido ela quem mais “molhou a sopa”.

Acalmadas as coisas, encetado diálogo entre o mais “sensato” dos do grupo, após uns incontáveis “apologizes” das quais só acredito na sua sinceridade pelo medo de ir em cana, não pelo respeito pela autoridade, lá saíram eles, nos restauradores e mandados para o exterior do Metro, para apanharem um pouco de ar fresco e reflectir. O mais atrevido deles, à saída da carruagem ainda continuou a insistir que queria “conversar” comigo, “man to man”, lá fora na “street” e não parava de dizer que um dia ainda me iria lembrar dele. A velhota que atrás referi, ainda o atiçou mais. À nossa saída gritou toda esganiçada um vitorioso e estridente – Viva o Benfica!...

Ah! Já me esquecia; não é que o sacana do inglês me fez perder o jogo quando faltavam menos de 100 pontos para bater o recorde da garota!...


sexta-feira, março 10

ALTERAÇÃO AO CÓDIGO DO TRABALHO



1. INDUMENTÁRIA:

O Informamos que o funcionário deverá trabalhar vestido de acordo com o seu Salário.

Se o virmos calçado com uns ténis Adidas de 100EUR ou com uma bolsa Gucci de 150EUR, presumiremos que está muito bem de finanças e portanto, não precisa de aumento.

Se ele se vestir de forma pobre, será um sinal de que precisa aprender a controlar melhor o seu dinheiro para que possa comprar roupas melhores e portanto, não precisa de aumento.

E se ele se vestir no meio-termo, estará perfeito e portanto, não precisa de aumento.

2.AUSÊNCIA DEVIDO A DOENÇA:

Não vamos mais aceitar uma declaração do médico como prova de doença.

Se o funcionário tem condições para ir até ao consultório médico também tem para vir trabalhar.

3. CIRURGIA:

As cirurgias são proibidas.

Enquanto o funcionário trabalhar nesta empresa, precisará de todos os seus órgãos, portanto, não deve pensar em tirar nada. Nós contratámo-lo inteiro.

Remover algo constitui quebra de contrato.

4. AUSÊNCIAS DEVIDO A MOTIVOS PESSOAIS:

Cada funcionário receberá 104 dias para assuntos pessoais, em cada ano. Chamam-se Sábados e Domingos.

5. FÉRIAS:

Todos os funcionários têm direito a gozar ainda mais 12 dias de férias nos seguintes dias de cada ano:

1 de Janeiro,

Dia de Páscoa

25 de Abril,

1 de Maio,

10 de Junho,

15 de Agosto,

5 de Outubro,

1 de Novembro,

1 de Dezembro.

8 de Dezembro.

25 de Dezembro.

6. AUSÊNCIA DEVIDO AO FALECIMENTO DE ENTE QUERIDO:

Esta não é uma justificação para perder um dia de trabalho.

Não há nada que se possa fazer pelos amigos, parentes ou colegas de trabalho falecidos.

Todo o esforço deverá ser empenhado para que os não-funcionários cuidem dos detalhes. Nos casos raros, onde o envolvimento do funcionário é necessário, o enterro deverá ser marcado para o final da tarde.

Teremos prazer em permitir que o funcionário trabalhe durante o horário do almoço e, daí sair uma hora mais cedo, desde que o seu trabalho esteja em dia.

7. AUSÊNCIA DEVIDO À SUA PRÓPRIA MORTE:

Isto será aceite como desculpa. Entretanto, exigimos pelomenos15 dias de aviso prévio, visto que cabe ao funcionário treinar o seu substituto.

8. O USO DO WC:

Os funcionários estão a passar tempo demais na casa de banho.

No futuro, seguiremos o sistema de ordem alfabética. Por exemplo,

Todos os funcionários cujos nomes começam com a letra 'A' irão entre as9:00 e 9:20, aqueles com a letra 'B' entre 9:20 e 9:40, etc. Se não puder ir na hora designada, será preciso esperar a sua vez, no dia seguinte.

Em caso de emergência, os funcionários poderão trocar o seu horário com um colega. Ambos os chefes dos funcionários deverão aprovar essa troca, por escrito.

Adicionalmente, agora há um limite estritamente máximo de 3minutos na sanita. Acabando esses 3 minutos, um alarme tocará, o rolo de papel higiénico será recolhido, a porta da sanita abrir-se-á e uma foto será tirada. Se for repetente, a foto será afixada no quadro de avisos e Intranet do Serviço com o título infractor Crónico.

9. A HORA DO ALMOÇO:

Os magros têm 30 minutos para o almoço, porque precisam comer mais para parecerem saudáveis.

As pessoas de tamanho normal têm 15 minutos para comer uma refeição balanceada que sustente o seu corpo mediano.

Os gordos têm 5 minutos, porque é tudo que precisam para tomar uma salada e um moderador de apetite.

Muito obrigado pela sua fidelidade à nossa empresa. Estamos aqui para proporcionar uma experiência laboral positiva. Portanto, todas as dúvidas, comentários, preocupações, reclamações, frustrações, irritações, desagravos, insinuações, alegações, acusações, observações, consternações e quaisquer outras... ões' deverão ser dirigidas para outro lugar.

Tenham uma boa semana.

A Administração.

A Não perder...



Image Hosted by ImageShack.us

 

ESTE BLOG FOI OPTIMIZADO PARA VISUALIZAÇÃO EM 1024X768 Pixels em Google -Chrome,ver. 24.0.1312.57 m ©COPYRIGHT© de Júlio Vaz de Carvalho. ©COISAS 2004-2015, é um WEBBOLG da responsabilidade do seu autor, o seu conteúdo pode ser reproduzido, sempre que referidas as fontes e autores. Todos os textos, notícias, etc., que sejam da responsabilidade de terceiros (pessoais ou institucionais,serão devidamente identificados, sempre que possí­vel, bem como serão referidos os locais a partir dos quais poderão ser consultados no contexto original.Todos os trabalhos publicados por colaboradores do blog,podem ser copiados e divulgados, sempre que seja indicada a sua origem, não carecendo de autorização dos mesmos, caso aqueles assim o manifestem. COISAS, é um Blog quase APOLíTICO e não se rege por ideias pré-concebidas unicamente apoiando causas de reconhecido interesse para a Humanidade, sempre que elas sejam isentas e objecto de reconhecimento universal que vão desde a luta contra os cocós dos Lu-Lus a minar os passeios à legítima pretenção de ver restaurada a Monarquia em Portugal.

Who Links Here