segunda-feira, maio 22

A pedido de várias "famílias"...



Já são bastantes as estórias aqui contadas no COISAS. Por motivos lógicos, elas falam da vivência de polícias no seu dia a dia. Alguém me deu a ideia de transpor essas histórias para um blog exclusivamente dedicado a conter esses relatos, de forma a serem mais fáceis de encontrar no meio desta confusão que é o COISAS. Assim, a pedido de várias "famílias", aqui fica o link do novo espaço, ESTÓRIAS DE POLÍCIAS.

Espero que gostem e que se divirtam.

Obrigado a quem visita estas COISAS.

segunda-feira, maio 15

Que se lixe a cerveja!...



Image Hosted by ImageShack.us

Lisboa era uma enorme cuba de fermentação de cerveja, em laboração contínua. Estava no auge do Euro 2004 e os gerentes de restaurantes, bares, cervejarias, cafés, tascas e afins esbracejavam, gritando aos telemóveis, implorando às distribuidoras a rápida reposição de stock do precioso líquido, que jorrava quase ininterruptamente ao longo do dia e noite. O débito das torneiras era impressionante e a meio da manhã, os níveis das cubas estavam abaixo da reserva. Só uma acção concertada do S. Martinho, com o pagão Baco, mediada pelo popular (e residente) Santo António que, não duvido, terá negociado alguma cota de mercado nas festividades do seu culto pessoal, terá permitido que tanta gente mantivesse em constante funcionamento os seus sistemas de depuração sanguínea. Por toda a baixa Lisboeta, tomada desde muito cedo por milhares de adeptos, na sua maioria britânicos que entoavam os seus cânticos, rivalizando com as modas das festas dos Santos Populares. Rivalizavam os cânticos e os cheiros, já que à falta de sanitários em número suficiente, nem a sardinha assada conseguia impor o seu perfume!
Os excessos, uns mais tolerados que outros, surgiam por toda a parte e manifestavam-se não tanto pelo seu impacto na fuga à “normalidade”, mas mais pela frequência com que se praticavam. Falo claro do excesso de ruído, ocupação de vias de trânsito, desrespeito pela sinalização e claro, as tradicionais demonstrações de projecção do xixi em comprimento (versão masculina, mais comum e internacionalizada), e na importada variante feminina, sem dúvida mais rara por estas paragens, mas de longe mais espectacular.
A missão das forças de segurança era manter esta mole de gente em euforia etilizada dentro do razoável limite do admissível, cabendo aos responsáveis das forças no terreno manter as coisas controladas.
Numa das noites que antecederam um jogo da selecção inglesa, parecia que Trafalgar Square se tinha transferido para o Rossio. A proporção de fiéis adeptos das equipas ainda em competição era esmagadoramente favorável em número para os súbditos de Sua Majestade. A quantidade de “infiltrados” em missão de controlo era a normal e cerca das 23H30, foram dadas ordens precisas para o encerramento de todos os estabelecimentos, em especial os mais próximos da Praça D.Pedro IV. A concentração de “suporters” contudo, não arredava pé e aumentava cada vez mais junto à confluência da Rua da Betesga com o Rossio e a Rua da Prata. Parecia a Praça de S.Pedro em dia de Pontifica aparição pública.
Image Hosted by ImageShack.us
- Raios, já fecharam todas as “tascas” e a malta não arreda pé!
- Pois é Chefe, não estão com muita vontade de ir embora. Sem cerveja, ainda desatam a partir montras e portas dos estabelecimentos para ir beber à força.

A turba de gente, concentrava-se cada vez em maior número e reparei que todos olhavam para uma varanda do Hotel Internacional. Os câticos de apoio à Velha Albion, tinham sido trocados por vários gritos dos quais se percebiam alguns “come back” e “come on… take-off that…”. Intrigado, aproximei-me, tentando vislumbrar os motivos porque todos olhavam para o ar. Mas nada se via. Decidi então abordar um português que avidamente esbugalhava os olhos em direcção de uma varanda do hotel.

- Tá animado isto aqui!...
- Oh pá, tá demais; uma delicia… tá uma gaja ali dentro que disse que ia mostrar as mamas à varanda – informou-me o deliciado lusitano, sem ousar desviar os olhos da dita varanda – só faltam umas cervejinhas.

Imbuído de “elevado espírito de missão”, não tardei a fixar o olhar no balcão, decorado com a bandeira inglesa e de onde a qualquer momento se aguardava a pública aparição da ousada menina. Por várias vezes, uma vistosa loiraça, aproximava-se do varandim e ameaçava retirar a t-shirt que lhe cobria o tronco. Cada vez que o fazia, a populaça, em uníssono, disparava em alvoroço os mais variados gritos de incitamento, desafios, enfim, um autêntico rol de expressões e orações pejadas do mais baixo vernáculo multilingue. Alguns, mais desesperados, faziam tentativas para trepar pelos ornamentos arquitectónicos da bela fachada do Hotel onde a ninfa, em moderna versão da Shakespeariana Julieta, incitava os potenciais e etilizados Romeus. Alguns, à boa maneira britânica, faziam apostas entre eles, jogando o número de vezes que ela apareceria até expor os seus atributos, outros prometiam-lhe noite de sonho como ela nunca tivera. A portaria do hotel estava fechada e reforçada por vários polícias que a custo conseguiriam fazer recuar quantos não arriscavam opções radicais de ataque ao castelo e preferiam a segurança das escadas e elevadores. A carga policial estava eminente e a donzela continuava a fazer as suas ameaças de exibição. Eis então que, um dos principais responsáveis policiais no local, perante a eminência de uma intervenção que por certo mancharia a imagem quase exemplar do evento nacional nos olhos do mundo, teve um rasgo de génio, ao reparar que, apesar do espectáculo eminente estar a atingir o auge, os bifes continuavam a protestar contra o encerramento dos locais de venda de cerveja. Encarregou-se de fazer passar a palavra que, na zona do Bairro Alto, a cerveja ia ser vendida a preços mais módicos e estavam próximas várias “happy-hours”. Em breves segundos, o efeito passa palavra, teve o efeito desejado. Era vê-los a perguntar onde era esse tal de Bairro-Alto. A multidão iniciou a sua peregrinação no momento preciso em que a moçoila, talvez por ver a multidão em debandada e ver-se ferida na sua popularidade, debruçada sobre o vazio do balcão, retira a camisola e exibe as mamocas à populaça, agitando-as, enquanto gritava uns guinchos de chamamento ao seu rebarbado público. Esperava-se nova investida da audiência em dispersão, após tamanha provocação e por breves instantes veio-me à lembrança a célebre cena do filme Apocalipse Now em que Frederic Forrest, o Jay “Chef” Hicks, acompanhado dos restantes camaradas, quase devoram as coelhinhas da Play-boy, em pleno Cambodja. Mas, surpresa das surpresas, enquanto aquela visão se mantinha, suspensa e em exibição pública, a maioria dos conterrâneos da candidata a “coelhinha”, afastava-se, com o argumento unânime de que aquelas maminhas eram uma vergonha e não eram dignas representantes das súbditas de Sua Majestade; o Bairro-Alto é que estava a dar.
Contudo, alguns dos assistentes não arredavam pé. A grande maioria, portugueses, franceses, espanhóis, que até aí, pouco se tinham notado no meio da maioria britânica. Abordei novamente o interlocutor que me informara acerca do que ali se passava
.
- Então amigo, grande espectáculo, eh! eh!
- Podes crer, mano… quero lá saber da cerveja, meu!

Na verdade, há diferentes formas de viver a vida, ehehe!
Image Hosted by ImageShack.us

fotos retiradas daqui

Nota: esta estória está ligeiramente alterada, embora mantenha o essencial da realidade. A menina na foto, é a "diva" referida e continuo a procurar, incessantemente, uma foto dessa memorável noite :)

sexta-feira, maio 12

Hábitos, manias, vícios, tiques e afins...

Recebi este desafio e não resisti respondê-lo. A "provocação", veio do Blog da Paula, que lançou uma espreitadela por estas coisas e deixou a sua deixa; bem "deixada", por sinal. Sempre bem vinda, assim como todos quantos aqui param para coisar estas coisas.


Belos desafios a que estou sujeito!! Há uns anos, nem a tal me aventuraria. Mesmo não sendo Ribatejano, de tão perto que dele vivo (Ribatejo), antes enfrentar um touro em pontas, ehehe... Hoje, pouco me importa.

Tenho manias, tiques, hábitos (ou lá o que lhe queiram chamar) que não devem ser únicos, mas não são melhores nem piores que outros; unicamente, são meus e pronto.Mas antes vou descartar alguns que não tenho, uns por natural sequência da minha condição de homem pré-macho latino (VERSÃO MODERADA, VULGO "LIGTH DO VELHO MACHO LUSITANO), sim, porque se não acompanhamos a evolução, somos logo rotulados de jarretas, velho antiquado, cota, etc; atenção, modernização vai comigo, mas sem modernices de outro género, que eu não vou em cantigas nem em "lobbyes", por muito que os respeite e ache no direito de terem o seu espaço.

-Cara Amiga, mexer no cabelo tinha eu, quando podia usar uma trunfa que tirava o paterno do sério (sempre poupava umas massas no Ti João Barbeiro), mas esses devaneios capilares terminaram para sempre aos 17 anos, quando da transposição da porta da Base em Tancos;

-Conduzir com velocidade, acaba por ser quase banal, nos dias que correm (claro que uns mais que outros), mas tenho-me safo bem e tem querido a divina providência que das duas uma: ou os radares dos cívicos avariam à minha passagem, ou S.Cristóvão, o santo protector dos viajantes e condutores, tem andado a dar-me umas baldas; se for este o caso, espero que na hora da prestação de contas, o chefe dele não venha para cá armado em fiscal das finanças a cobrar com juros;

-Dançar... bem, dançar, não é bem a minha especialidade. Não evito tentar fazê-lo, mas diria mais que pratico uma espécie de "abana-o-esqueleto", no literal sentido da expressão. Sou um pés-de-chumbo, mas o cálcio, esse chocalha dentro da musculatura (pouca que não há tempo para enchimentos extras);

-Se mal danço, melhor não falar das cantorias, por isso, poupo quem lê à violência da minha auto-crítica, no que respeita a lirismos;-Beijokeiro sou eu, mas calma aí... se fizesse isso ao tipo de clientela da minha "empresa", ou era abertura do Jornal da TVI, ou há muito que andavam a deitar, à minha passagem, florzinhas para o chão dos corredores;

-Partilho a mania das luzes acesas (os tipos da EDP agradeçem, com toda a certeza, que essa treta da poupanca é só letra de "parecer bem")...

-É muito mau sinal quando olho nos olhos de alguém ao falar, já que isso significa que, ou estou pior que uma barata ou o interlocutor fez alguma coisa que não devia (que o digam as minhas filhotas, por exemplo); essa coisa que se diz de ser sinal de sinceridade, etc, o olhar nos olhos de de outrém, morre como regra e acho mesmo que é excepção. Não me digam que nunca repararam que é o que fazem os políticos, vezes sem conta e depois, o resultado está à vista... sinceridade, uma ova!;

-Tenho pavor à sistematização e automatização de comportamentos e logo muito avesso a rotinas (muito importante na minha profissão);

-Pego nos copos usando unicamente o indicador, médio e o polegar. Os dedos anelar e mindinho, demarcam-se do contacto com o vaso, à laia de antena ou contra-peso. Uma coisa é certa: não sei porquê, mas não é actualmente uma prioridade sabê-lo;

-Não posso ver portas de armário de cozinha abertos, sem que esteja a ser tirado ou colocado algo no interior (vários galos cantaram e "moldaram" esta mania);

-Detesto ver pessoas a falar com facas, garfos ou outros objectos contundentes, perfurantes ou congéneres na mão. Sempre achei um perigo quando vejo as pessoas bradindo efusivamente a mão com ditos objectos, movimentando-os ao sabor do maior ou menor calor da conversa;

-Sou incapaz de dormir com almofada e sem ser de barriga para o ar; contudo, a almofada acompanha-me sempre, a qual encosto com o a cabeça contra o dossel da cama e durante o sono, torço-lhe as orelhas ao ponto de ter de as substituir periodicamente. A mãe, diz que quando era pequeno, fazia isso para dormir e a malandreca da mana, ainda hoje pergunta se já deixei de fazer isso ou não.

Estas, são apenas algumas das que me lembro e que poderão rondar um pouco o bizarro; bizarrices para alguns, porque para mim, manias são manias e o resto são conversa. Desde que não sejam incomodativos ou irritantes (depende sempre do conceito e capacidade de encaixe de cada um), tanto me dá se o puto que viaja à minha frente no Metro, se delicia a escrafunchar os pavilhões nasais ou o vizinho do lado pisca os olhos à velocidade de 3 piscadelas por segundo, desde que a seguir não se me dirijam e me estendam a mão para cumprimentar, ou então que insistentemente me obriguem a olhá-lo de frente, para lhe dar uma informação...Livra, ele há com cada mania!!!...

quarta-feira, maio 10

Novo Mapa de Portugal?

Depois das declarações do Ministro das Obras Públicas da República acerca da Iberização, e da "doutoral" decisão de acabar com a maternidade de Elvas, entre muitas outras no já desertificado interior do rectângulo, obrigando desta forma a que muitos dos nacionais nasçam em Badajoz, será que o actual mapa, que na maioria dos atlas e mapas aparece como o conhecemos ?...
Image Hosted by ImageShack.us
... para passarmos a ter algo próximo deste que se segue?!?!?!?
Image Hosted by ImageShack.us

terça-feira, maio 9

IBERISTA CONVICTO?!... ou será um Republicano que virou Monárquico?...

Image Hosted by ImageShack.us
Mário Lino Soares Correia - Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações da República Portuguesa
(Nota: a foto acima colocada, está meio "abandandalhada" porque me apeteceu "abandalhar" esta "bandalheira". Tãombém tenho direito de avacalhar o sistema, de vez em quando, não?)

EXPRESSO, 06-05-06.

O ministro «iberista»

O cidadão Mário Lino pode ter as opiniões que entenda; o ministro, nem todas.

COMECEMOS por reproduzir a declaração, tal qual veio publicada no dia 24 de Abril pelo jornal «Faro de Vigo» «Sou um iberista confesso. Temos uma história comum e uma língua comum. Há unidade histórica e cultural e a Ibéria é uma realidade que persegue tanto o Governo espanhol como o português. Se há algo importante para estas relações são as infra-estruturas de transporte».
Estas considerações foram feitas em Santiago de Compostela, Galiza, Espanha, por um cidadão português que, por acaso, é também ministro.
Aliás, falava nesta qualidade, perante uma audiência composta por 150 quadros galegos da Caixa Geral de Depósitos e do Banco Simeón.
Chama-se Mário Lino e tem, no Executivo português, a pasta das Obras Públicas, Transportes e Comunicações.
Não houve até agora desmentido nem correcção que pusessem verdadeiramente em causa a declaração reproduzida, pelo que não há também motivo para se questionar a fiabilidade do jornal. Lino pensa o que diz. E di-lo, aliás, em termos que não deixam margem para segundas leituras, apesar de, em declarações ao «Independente», ter informado ontem que falava do «iberismo» aplicado à sua área específica. Ora, não se vê o que possam ter a ver com estradas, pontes ou comboios de alta velocidade a suposta «unidade história e cultural», ou com a «história e a língua comuns» que o ministro certamente inventou para sublinhar melhor o seu fervor iberista. Mesmo falseando a realidade histórica e factual que todos os portugueses conhecem.
Não é concebível nem aceitável que um ministro português ignore o conceito a que corresponde a palavra «iberismo» no discurso político. E por isso não é concebível nem aceitável que a use com a displicência e ligeireza com que o fez. O insólito da situação, para não dizer o caricato, é tal que o próprio «Faro de Vigo» a estranha, observando que, «enquanto a Espanha é sacudida pelos debates sobre os estatutos autonómicos e sobre se o Estado se desmembra e se rompe como nação», vem o ministro português confessar-se «iberista» e convencido de que Espanha e Portugal «têm pela frente um futuro em comum». Quer dizer, enquanto as regiões e os povos de Espanha querem mais autonomia e algumas batalham pela independência, há no Governo do único país da Península que resistiu durante oito séculos e meio à força hegemónica de Castela, alguém que se declara defensor de uma unificação ibérica.
O cidadão Mário Lino pode ter as opiniões que bem entenda, mesmo as mais bizarras. O ministro português das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, esse devia ter esclarecido o país sobre essas convicções pessoais antes de aceitar o cargo. E o facto de administrar as Obras Públicas não desvaloriza nem desagrava o seu lastimável discurso. Desde logo porque um ministro é sempre um político e como tal tem de raciocinar e intervir. Depois, não pode subsistir a menor dúvida de que as suas opções estratégicas
- um aeroporto na Ota e este ou aquele traçado do TGV, por exemplo - são tomadas em função de princípios ou convicções que não correspondem minimamente às da generalidade dos portugueses, nem a qualquer doutrina do Estado ou orientação de Governo.
Ninguém pode surpreender-se quando o
primeiro-ministro, falando de economia e das prioridades do Governo, responde «Espanha, Espanha, Espanha». É uma evidência para toda a gente que as relações com a Espanha se impõem e devem ser incentivadas no que sejam mutuamente vantajosas. Outra coisa é o discurso político do Governo ficar contaminado pelas esdrúxulas convicções pessoais de um dos seus ministros.
A menos que Mário Lino fale uma língua diferente, ou as palavras já não sirvam para nada, alguém que se proclama «iberista confesso» não deve integrar o Governo de um país cuja soberania foi conquistada precisamente contra as teses iberistas, com este ou com outro nome. Se não esclarecer o mal-entendido - admitindo, contra todos os indícios, que ele possa ter existido - todas as suas decisões passadas e futuras ficarão sob suspeita.
(Fernando Madrinha)
http://semanal.expresso.clix.pt/opiniao/default.asp?edition=1749

+++++++

SEMANÁRIO, 05-05-06

A PARTIR DE AGORA, O MINISTRO IBERISTA ESTÁ SOB SUSPEITA POLÍTICA. EXCEPTO NUMA CIRCUNSTÂNCIA: SE DEIXAR DE SER MINISTRO. É O QUE JÁ DEVIA TER FEITO.
E SENÃO POR INICIATIVA PRÓPRIA, POR DECISÃO SUPERIOR
(...)
Sejamos claros: um iberista, tal como o ministro se define, é uma pessoa que não crê que Portugal deva ser um Estado independente, que defende que na Península Ibérica só deve existir um Estado e, se não for absolutamente irresponsável ou inconsequente, fará tudo para que isso aconteça, sendo que quando se é ministro é extremamente conveniente que se deixe o diletantismo à porta do Conselho de Ministros.
Isto é tudo muito estranho. A oposição, entretida com urgências internas, não reparou, muito menos criticou. Alguns comentadores tão pressurosos com a crescente alienação de empresas portuguesas para mãos espanholas, distraídos, ignoraram. Os empresários defensores dos célebres centros de decisão nacional, proventura porque o ministro ocupa uma pasta de investimento, não tugiram nem mugiram. Esta indiferença será certamente redimida quando um homem com apelido de italiano e nacionalidade brasileira pedir lá da Alemanha para os portugueses fazerem de conta que são patriotas e usarem bandeirinhas por todo o lado.
Esclareço: por mim, o cidadão Mário Lino (Mário Lino Soares Correia) está no seu realíssimo direito de ser comunista, de ser socialista, de ser iberista, de ser o que ele quiser. Vivemos num país livre, apesar da sua antiga militância partidária o ter procurado evitar. Mas eu estou no meu direito de pensar que um iberista não tem condições para governar um País, por mero acaso o meu, cuja existência no mínimo discute e no máximo não deseja.
Para além de governante, o ministro iberista não o é de uma pasta qualquer. Tem a responsabilidade de conduzir assuntos sensíveis para a independência efectiva dos interesses do País, face aos interesses concorrentes e nem sempre convergentes da Espanha. Transportes, comunicações, investimentos. A partir de agora, o ministro iberista está sob suspeita política. Excepto numa circunstância: se deixar de ser ministro. É o que já devia ter feito. E senão por iniciativa própria, por decisão superior. O silêncio do primeiro-ministro significa o quê?
(Jorge Ferreira)

Comentário do COISAS: IBERISTA CONVICTO?!... ou será um Republicano que virou Monárquico, para a Monarquia errada, mas deve ser isso; e pensava eu que os Vasconcelos e outros que tais tinham ficado enterrados em 1640!!!!?... Se lhe chamarem nomes, não se ofenda, sr. Ministro, que há muitos que ofendeu cá no rectângulo e nem ao trabalho se dão de lhe mostrar com quantos paus se faz uma canoa. Que vergonha; francamente!

sexta-feira, maio 5

BOM FIM DE SEMANA



Isto para aqui anda emperrado.
Vou ter de dar um pontapé na preguiça.
Volto em breve, ehehehe.

 

ESTE BLOG FOI OPTIMIZADO PARA VISUALIZAÇÃO EM 1024X768 Pixels em Google -Chrome,ver. 24.0.1312.57 m ©COPYRIGHT© de Júlio Vaz de Carvalho. ©COISAS 2004-2015, é um WEBBOLG da responsabilidade do seu autor, o seu conteúdo pode ser reproduzido, sempre que referidas as fontes e autores. Todos os textos, notícias, etc., que sejam da responsabilidade de terceiros (pessoais ou institucionais,serão devidamente identificados, sempre que possí­vel, bem como serão referidos os locais a partir dos quais poderão ser consultados no contexto original.Todos os trabalhos publicados por colaboradores do blog,podem ser copiados e divulgados, sempre que seja indicada a sua origem, não carecendo de autorização dos mesmos, caso aqueles assim o manifestem. COISAS, é um Blog quase APOLíTICO e não se rege por ideias pré-concebidas unicamente apoiando causas de reconhecido interesse para a Humanidade, sempre que elas sejam isentas e objecto de reconhecimento universal que vão desde a luta contra os cocós dos Lu-Lus a minar os passeios à legítima pretenção de ver restaurada a Monarquia em Portugal.

Who Links Here