terça-feira, abril 26

FACE AO COMPLEXO DO «COMPLEXO ANTI-ESPANHOL»

IN PÚBLICO - Domingo. 24 de Abril de 2005
()


FACE AO COMPLEXO DO «COMPLEXO ANTI-ESPANHOL»

GENERAL JOSÉ LOUREIRO DOS SANTOS

Teremos de ter consciência de que, em termos de relações internacionais,
Portugal e Espanha estarão juntos na maior parte das vezes. Mas,
possivelmente outras tantas, encontrar-se-ão em lados diferentes, na defesa
dos respectivos interesses, no intenso quadro competitivo de uma península
económica e até culturalmente multilateral

Actualmente, a propósito de qualquer análise sobre as relações entre
Portugal e Espanha que uma pessoa arrisque abordar, não se regozijando com
a atitude do nosso vizinho, mas culpando-o por nos ter prejudicado, é muito
«politicamente correcto» acusá-la de ter o «complexo anti-espanhol», ou
seja, de ver na Espanha a principal razão das nossas dificuldades. São
modas... O politicamente correcto aconselha, igualmente, a dizer mal dos
americanos, em quaisquer circunstâncias...
Existem comentadores que não resistem a navegar nesta onda. Para eles, é
premissa indiscutível que os nossos vizinhos são sagazes e activos, ao
mesmo tempo que solidários e bondosos, portanto incapazes de defender os
S.6US interesses com prejuízo dos nossos. Pelo contrário, os portugueses
são uns mal agradecidos que, ainda por cima, dizem mal de quem estaria
sempre preocupado em ajudá-los.
A simples ameaça de ganhar o rótulo de ter o «complexo anti-espanhol»,
repercute-se de várias formas nos portugueses: silêncio envergonhado sobre
o nosso relacionamento peninsular, radicado num indefinido sentimento de
culpa; atitude permanentemente masoquista, a propósito de tudo que respeite
as questões que afectem simultaneamente Portugal e Espanha; ou mesmo um
complexo de inferioridade face aos espanhóis, com a predisposição de ceder
à sua vontade, certamente mais sábia (?) e mais útil (?) aos nossos
interesses que a nossa...
Por vezes, este comportamento tem origem em motivos genuínos de quem pensa
que um único espaço político estatal alargado ao todo peninsular melhoraria
o bem-estar dos portugueses, ou então que nos seria benéfico serem outros a
governar-nos, em vez de nós próprios. Em outras ocasiões, trata-se
simplesmente de fraqueza e falta de coragem. Frequentemente, tem por
justificação a barragem de acusações a que se sujeita quem tenha a «triste»
ideia de acusar os espanhóis de alguma coisa, por mínima que seja. Isto
conduziu a outro complexo, actualmente bem mais dominante do que o
«complexo anti-espanhol» - o complexo do «complexo anti-espanhol».
É claro que este complexo, incentivado pêlos espanhóis sempre que exista
oportunidade, é muito vantajoso para os empresários do país vizinho e para
certos empresários portugueses também beneficiados, assim como para a
direcção política espanhola em funções, cuja postura não se altera
significativamente com mudanças de governo: estilo mais soft com os
socialistas e mais hard com os populares. É curioso assistir à forma como
reage alguma imprensa do país vizinho, quando existe algum clamor público
em Portugal, à volta de queixas com o comportamento do seu governo ou de
alguma sua empresa.
Entre responsáveis portugueses, são inúmeros os exemplos deste complexo.
Tanto nas relações de natureza política, como nas económicas e até nas
culturais.
Tem sido comum o governo português fingir que não existem problemas. O caso
de Olivença é paradigmático. Sempre que alguém ousa levantá-lo, como a
Assembleia da República, legalmente forçada a pronunciar-se na sequência de
uma petição que lhe foi apresentada, o governo assobia para o lado, fazendo
de conta que o assunto não é com ele.
Ora, Olivença é um potencial foco de tensão entre os dois Estados ibéricos.
Qualquer líder populista com aceitação pública pode usar este assunto para
incendiar os ânimos. Aliás, um prestigiado diplomata espanhol retirado já
insinuou esta hipótese, quando afirmou a necessidade de coerência por parte
de Espanha, em relação a Gibraltar, Olivença e à situação de Ceuta e
Melilha. Embora a cada um destes casos correspondam níveis bem diferente de
preocupação e de intensidade conflitual
Existem outros exemplos políticos, alguns dos quais verdadeiramente lesivos
do interesse nacional português. Como o posicionamento de Portugal nas
sucessivas negociações, a propósito do caminho-de-ferro de elevada
velocidade: nos, aparentemente, predispostos a ceder, apresentando posições
de compromisso logo nas primeiras propostas; os vizinhos com posições
iniciais fortes, como se fossem factos consumados.
Ou na condescendência da participação na última cimeira ibérica das
lideranças políticas das regiões autónomas espanholas fronteiriças, criando
a imagem de que Portugal se rebaixava a este nível. É certo existirem temas
que aquelas regiões precisam de negociar com a sua contra-parte portuguesa.
Mas este problema tem outra solução - criar urgentemente regiões
administrativas, em Portugal, com base nas regiões de coordenação e
desenvolvimento regional, por um lado, e estabelecer reuniões periódicas
entre as regiões económicas existentes no conjunto peninsular (todas as
espanholas, os Açores, a Madeira e o continente português, este
representado por um ministro de Estado coordenador, como região económica),
onde se tratariam assuntos de ordenamento do território, comércio, turismo,
etc., que fossem da sua competência.
A cimeira política manter-se-ia no modelo tradicional - apenas com os
governos de Portugal e Espanha, a fim de debaterem os problemas que lhes
correspondem, com a autoridade soberana que detêm. Cada um procurando,
naturalmente, o reforço dos seus interesses, no sentido do aumento do
bem-estar e segurança dos respectivos povos, como é sua função. Isto não
obsta que, a título de assessoria e não como participantes políticos,
elementos de algumas regiões (de Espanha e de Portugal) apoiem os líderes
dos Estados, em pontos específicos da agenda.
Também no plano económico têm sido visíveis comportamentos timoratos e
atitudes de lamento e/ou submissão, em relação a interesses económicos
espanhóis. Se é certo que o lucro é um objectivo central de qualquer
actividade económica, não é menos certo que ele, além de não ser o único,
pode ser procurado com uma visão que considere o interesse nacional, a
exemplo do que fazem alguns dos nossos mais reputados e eficientes
empresários.
Estão a surgir indícios de que esta onda do politicamente correcto está a
mudar. No respeitante ao complexo do «complexo anti-espanhol», parece que a
profunda crise económica que o país atravessa está a despertar forcas
inusitadas no sentido de o limitar, senão eliminar. Passando o discurso e a
acção a basear-se apenas no interesse de Portugal, mesmo que ele seja visto
e proclamado pêlos nossos vizinhos como prejudicial ao interesse de
Espanha. É assim que os espanhóis procedem connosco.
Teremos de ter consciência de que, em termos de relações internacionais.
Portugal e Espanha estarão juntos na maior parte das vezes. Mas,
possivelmente outras tantas, encontrar-se-ão em lados diferentes, na defesa
dos respectivos interesses, no intenso quadro competitivo de uma península
económica e até culturalmente multilateral, de uma União Europeia a
expandir-se e a ser progressivamente mais exigente, e de uma organização
mundial do comércio onde aumentam os produtores com vantagens comparativas
superiores às nossas.
Entre os sinais, refiro a crescente abordagem objectiva, sem «complexo do
complexo», de problemas que se colocam aos dois vizinhos ibéricos. Tanto
por jornalistas, como por comentadores, empresários e economistas.
Mas o mais significativo, a manter-se o rumo iniciado, sem exageros
continentalistas desequilibrados composições atlantistas indispensáveis
para nós (América do Norte, América do Sul e África são áreas vitais na
nossa política externa), é o sinal político transmitido pelas recentes
viagens a Espanha do Presidente da República e do primeiro-ministro de
Portugal.
Foi possível ver firmeza, acção dinâmica e ofensiva, juntamente com a
habilidade diplomática e a cortesia adequadas a vizinhos, aliados e amigos.
E não uma posição defensiva, estática e apenas reactiva. Duas das
declarações de Sócrates ao El País sintetiza na linha de rumo que nos é
conveniente. Por um lado, Espanha é a nossa primeira prioridade em política
externa, o que é uma verdade que a História confirma exaustivamente. Sendo
a Espanha o nosso primeiro problema e maior preocupação, seria muito
estranho que não fosse a primeira prioridade. Por outro lado, foi dito
claramente aquilo que há muito deveria ter sido dito pelo primeiro-ministro
(já tinha sido afirmado pelo PR): «o que queremos é que o mercado espanhol
se abra da mesma maneira» que o nosso se tem aberto.

(JOSÉ LOUREIRO DOS SANTOS - GENERAL)


quarta-feira, abril 20

PROTESTO LEONINO


Assim que tomou conhecimento do resultado do conclave, Dias da Cunha, esperançado em ter o seu ponta-de-lança ecuménico - Policarpo - viu este ser relegado para fora dos centros de poder da SS e de imediato se aprontou a enviar um protesto à Liga de Clubes e à FPF, alegando que, mais uma vez, "estamos perante manobras do sistema. É um roubo... a família sportinguista foi mais uma vez despojada de um sucesso que projectaria o clube no divino"


Este Blog é apolí­tico, pobrezito, já está pago, isento de IVA... ( sujeito a alterações consoante a disposição do autor)

O INFILTRADO


A intercepção de documentos secretos da NSA, enviados por meios electrónicos, permitiram esta fuga da primeira imagem de confraternização, logo após a confirmação da eleição de Ratzinger. Estou em condições de provar que o nosso emplastro terá sido influente na escolha do cardeal alemão, sendo voz corrente, que terá entregue várias missivas do "papa do norte", nas quais aquele pede intervenção da Santa Sé no caso do apito.
Ao que parece a missiva terá feito efeito.


Este Blog é apolítico, pobrezito, já está pago, isento de IVA... ( sujeito a alterações consoante a disposição do autor)

quinta-feira, abril 14


Ementa do jantar de hoje... 4 bifinhos bem passados...
Este Blog é apolítico, pobrezito, já está pago, isento de IVA... ( sujeito a alterações consoante a disposição do autor)


Para distrair, cá vai neve! Posted by Hello


À falta de areia, nós, Portugueses, reagimos assim! Posted by Hello

segunda-feira, abril 11

COITADINHO DO MENINO...


Dos jornais: "MÉDIO ENCARNADO LANÇA SUSPEITAS "
Petit: «Incentivos de terceiros»
No final do encontro com o Rio Ave em Vila do Conde, que o Benfica perdeu (0-1), Petit lançou suspeitas sobre a existência de "incentivos de terceiros" à equipa de Carlos Brito.

Na habitual entrevista televisiva efectuado no fim dos jogos, o médio benfiquista declarou: "O Rio Ave estava muito moralizado com coisas que vinham de trás. Se estou a falar de incentivos de terceiros? Se calhar estou. Parecia que eles estavam a jogar uma final, acho que deviam averiguar."

Opinião do COISAS: É no mínimo ridículo; um tipo que ganha milhares aponta o dedo a uma equipa que, provávelmente, toda junta, não ganha o que ele recebe num mês.



domingo, abril 10

 

ESTE BLOG FOI OPTIMIZADO PARA VISUALIZAÇÃO EM 1024X768 Pixels em Google -Chrome,ver. 24.0.1312.57 m ©COPYRIGHT© de Júlio Vaz de Carvalho. ©COISAS 2004-2015, é um WEBBOLG da responsabilidade do seu autor, o seu conteúdo pode ser reproduzido, sempre que referidas as fontes e autores. Todos os textos, notícias, etc., que sejam da responsabilidade de terceiros (pessoais ou institucionais,serão devidamente identificados, sempre que possí­vel, bem como serão referidos os locais a partir dos quais poderão ser consultados no contexto original.Todos os trabalhos publicados por colaboradores do blog,podem ser copiados e divulgados, sempre que seja indicada a sua origem, não carecendo de autorização dos mesmos, caso aqueles assim o manifestem. COISAS, é um Blog quase APOLíTICO e não se rege por ideias pré-concebidas unicamente apoiando causas de reconhecido interesse para a Humanidade, sempre que elas sejam isentas e objecto de reconhecimento universal que vão desde a luta contra os cocós dos Lu-Lus a minar os passeios à legítima pretenção de ver restaurada a Monarquia em Portugal.

Who Links Here