terça-feira, março 28

A gargantilha roubada

Muitas horas mediavam já entre captura de Jorge e a inevitável ida para a 3ª Esquadra da PSP do Funchal, imenso, aliás, tendo em conta que entre o crime e a dita, só tinha passado o tempo que levava a dobrar a esquina e dar de caras com o cívico de serviço permanente ao Banco de Portugal. O azarado larápio, após efectuar um roubo por esticão, apoderando-se de uma gargantilha de ouro que reluzia no pescoço de uma turista, encetou uma fuga abruptamente travada pelo choque com agente de serviço à Instituição. Este, logicamente, viu logo que, a julgar pela velocidade, a correria não seria fruto do treino para a S. Silvestre; essa é uma prova de fundo. A seguir, já se imagina. A vítima acusou-o de roubo, ali no local e o Jorge lá foi dar com os costados na Esquadra.

Cumpridas as formalidades da detenção, antes de se iniciar a feitura dos autos respectivos, cumpriu-se o ritual da revista integral ao arguido. Desde a inevitável navalha, bem afiada (dizem sempre que é para cortar a fruta, depois de almoço, porque será!?), ao sacramental charrito e claro a sempre amiga “mixa”, que o Jorginho era multifacetado e não se dedicava só aos puxões, mas da gargantilha, nada. A senhora apresentava ainda as marcas do puxão no seu pescoço, branco ariano que seria imaculado, não fora os vergões encarniçados provocados no momento do ilícito.

- Onde está a “ourina” – perguntou-lhe o Tavares, recém promovido a subchefe e que fora colocado na Madeira em regime de deslocamento.

- E eu sei lá o que é isso; sei lá do que está a falar – ripostou o “gandim”.

- A “ourina”, sabes muito bem o que é. Cá, como lá no Continente, o significado é o mesmo, não te armes em anjinho e toca a falar.

- Não tenho nada comigo. Pode tornar a revistar-me. Já viu que não tenho nada. Não roubei nada, não sei porque estou aqui.

- Há várias testemunhas que te acusam, logo, não venhas para cá com cantigas. Confessa logo o que fizeste à gargantilha que roubaste antes que me salte a tampa, ouviste!? – O Tavares estava a começar a entrar em ebulição, mas o certo é que o tipo não tinha mesmo nada com ele. Teria ele lançado o produto do roubo para algum bueiro ao ver-se caçado pela polícia?

Entretanto, um dos turistas que acompanhavam a vítima, à custa de um alemão misturado com inglês e com muita mímica à mistura, lá desvendou como o meliante se desembaraçara do ouro. Quer dizer, não foi bem desembaraçar, foi mais esconder. O tipo tinha metido a jóia na boca e tinha-a engolido, nem mais! Agora, ali estava o traste, com ar de “engole espadas” e a gozar o pagode.

- Como é? Tens essa mera no bucho, não é?

- Venha cá ver se apalpa alguma coisa. Pode ser que chocalhe…

- Eu é que te chocalho seu cabrãozito… ainda estás a gozar!... – o Tavares estava prestes a entrar em órbita.

Entre uma série de berros e de o informar que iria fazer um raio-x no hospital e que lhe seria aberto o estômago e os intestinos caso o colar não saísse pela cloaca do larápio, eis que entra um oficial superior do comando, trajando civilmente, tido por ser mais duro com os seus subordinados que propriamente com os criminosos, tudo à custa da “boa imagem” e dos direitos dos arguidos que não poderiam ser expostos ao que ele chamava de “humilhações desnecessárias”. A imagem de defensores de todos os direitos, à luz da sua interpretação desses direitos, não admitia que se aumentassem os decibéis das questões feitas perante evidentes criminosos.

- Pronto, já vai haver merda, disse alguém entre dentes.

- Eh, Pá! Pois é, está tudo estragado.

- Então que se passa aqui? – a frase fora dura, mas curta e logo não deu sequer para se denotar a gaguez do oficial. Sim, porque o senhor, patinava a fala, em especial em situações que impunham mais celeridade no diálogo ou quando o clima era mais tenso.

- Meu Comandante, boa noite. Está ali aquele “melro” que roubou uns turistas que estão ali dentro. “Esticou” uma gargantilha em ouro que não aparece e ele nega-se a dizer onde está. Suspeitamos que a tenha engolido.

- E é assim que...que...que se resolvem as coisas? Queeem quer que pa...a..a..asse lá fora, pen...en...ensa que estã...ã...ão aqui a to...o...orturar al...al..guém! Quem oiça a grita...a...aria, que pensará? E estes se...e...enhores? Lá no país de...e...eles não estã...ão habituados a estas co...oisas. Acham que vão fa...a...alar bem dos métodos da po...o...olícia portuguesa pe...pe...perante esta vergonha? Que imagem quer o Sr. Su...su...subchefe que eles levem da Madeira? – escandalizado, o oficial lá continuou o seu discurso, longo e censurador, uma autêntica ode à boa prática de interrogatórios policiais, rematado com um mini tratado de abordagem a um ladrão. O Jorginho estava alheado com a chegada deste salvador. Com um bocado de sorte, o “Garganta Funda” ainda ia seguir o seu caminho em paz e mais tarde lá aliviaria o produto do roubo, algures no meio de um campo de bananeiras, mas se aquela “treta” ficasse dentro do bucho ou da tripa fétida, a coisa poderia ficar feia. O seu semblante era visivelmente de preocupação perante a possibilidade de ter de expor as suas entranhas à curiosidade alheia. Ninguém lhe garantia até que, caso tal sucedesse, que um dos assistentes do “evento” tivesse já sido vítima de uma das suas “diabruras”. O tipo estava preocupado e sob esse ponto de vista, tinha razão e quase dava dó, só de pensar. O “anjo salvador” aproximou-se então junto dele preparando-se para demonstrar como se lidava com este tipo de situações. Parou mesmo diante do malandro, que permanecia sentado, entrelaçando os dedos, visivelmente nervoso e alheado do episódio anterior. Jorginho permanecia de cabeça baixa.

- Entã...ã...ão rapaz, vamos lá con...on...onversar então – o benévolo oficial, mandou afastar os dois guardas que ladeavam o detido e colocou-lhe uma mão sobre o ombro – vá lá filho, conta lá o que se passou. Estes senhores gua...a..ardas não te ba...ba...bateram, pois não?...

O discurso estava fora da esfera de compreensão dos turistas que apreciavam a cena, sem entender bem o que se passava pela barreira linguística que nos poupava à vergonha e pela gagez acentuada, porque para os restantes, tirando uma ou outra palavra, já não era novidade. Apre, aquela era a versão mais lírica do “polícia bom” e do “polícia mau” que alguma vez eu apreciara. É que ela só é aplicada quando não se tem muita informação ou certezas acerca dos suspeitos, mas este, mais que suspeito era um arguido prestes a pedir que lhe fizessem uma lavagem ao estômago antes que empancasse a tripa. De repente, o mitra, apercebendo-se que a “guarda de honra” estava desguarnecida, endireitou o tronco e deparou-se com uma cara, bem à sua mercê e a pedir um afago nas faces. Aplicou um valente soco na cara do seu interlocutor que caiu para o lado desamparado enquanto os seus óculos descreviam uma parábola, desfazendo-se nas pedras da calçada da parada. Claro que o atrevido, foi logo dominado e evitou-se a sua fuga pela porta do Comando e após ser algemado, foi novamente sentado, sem que fosse molestado, após a agressão ao “maior” da casa, cumpriu-se a sua vontade de manter os direitos do arguido. Ferido, o oficial, escondendo o local da cara atingido por tamanha “pêra”, apontou para o ladrão e visivelmente afrontado lá disse a custo - Fo…ooo…oddda…asss.... pre.. pren… preen…prendam esse gajo - e foi-se embora, entre os risos abafados de todos os presentes (sem excepção, acho eu).

Sem comentários:

 

ESTE BLOG FOI OPTIMIZADO PARA VISUALIZAÇÃO EM 1024X768 Pixels em Google -Chrome,ver. 24.0.1312.57 m ©COPYRIGHT© de Júlio Vaz de Carvalho. ©COISAS 2004-2015, é um WEBBOLG da responsabilidade do seu autor, o seu conteúdo pode ser reproduzido, sempre que referidas as fontes e autores. Todos os textos, notícias, etc., que sejam da responsabilidade de terceiros (pessoais ou institucionais,serão devidamente identificados, sempre que possí­vel, bem como serão referidos os locais a partir dos quais poderão ser consultados no contexto original.Todos os trabalhos publicados por colaboradores do blog,podem ser copiados e divulgados, sempre que seja indicada a sua origem, não carecendo de autorização dos mesmos, caso aqueles assim o manifestem. COISAS, é um Blog quase APOLíTICO e não se rege por ideias pré-concebidas unicamente apoiando causas de reconhecido interesse para a Humanidade, sempre que elas sejam isentas e objecto de reconhecimento universal que vão desde a luta contra os cocós dos Lu-Lus a minar os passeios à legítima pretenção de ver restaurada a Monarquia em Portugal.

Who Links Here