terça-feira, novembro 15

O PRESENTE



A Madrugada corria calma na área de Benfica. O turno no carro patrulha era maravilhoso quando o rádio vomitava constantemente ocorrências para outras áreas enquanto na zona, as coisas estavam paradisíacas. Quando assim é, há o sentimento de dever cumprido, mas em contrapartida, a rotina alonga as horas muito para além do desejável. Na verdade, quando se tem algo para fazer de mais específico, o tempo voa e no final podemos respirar fundo e dizer, “amanhã há mais”. Seguíamos pela Av. Carolina Michaelis de Vasconcelos, a brisa fresca vinda de Monsanto entrando pelos vidros escancarados, perturbando a calmaria silenciosa que enredava casario e ruas quando de repente o Valente, o chefe da viatura policial, grita para o condutor:

- Pá, pára, está ali um gajo a fazer qualquer coisa.

O carro estacou, sem espalhafato e saímos todos para o exterior, interrogando-nos sobre o que teria visto o nosso camarada.

- O que se passa? O que foi que viste? – perguntei.

- Ali, repara, na porta daquele prédio. Não vês a cabeça de um tipo?

Agachados atrás de um carro estacionado, os três polícias miravam na direcção indicada. Efectivamente, via-se a cabeça de um indivíduo, aparentemente de cócoras, junto à porta de entrada a um prédio. Pé ante pé, evoluímos à laia de cerco, cada um por seu lado, de forma a tornearmos os veículos estacionados e surpreender o indivíduo, que não estaria a fazer coisa boa. Pelo lado que me aproximei, pude vê-lo de imediato. Oh! Ignomínia! O tipo estava estático porque tinha razões para isso. Nem ele se apercebera da patrulha policial, nem estava a roubar nada. Bastou-me olhar para o esgar de esforço (titânico, diga-se de passagem) que o fulano fazia, acompanhado de gemidos abafados por prolongadas flatulências para de imediato perceber que se encontrava em pleno acto de defecação. Grande lata; não contente com fazê-lo em plena via pública, ainda se dava ao luxo de aliviar os seus fétidos fluidos à porta de gente de bem.

- Eh pá! Que é isso, oh companheiro – gritou-lhe instintivamente o Valente perante tal falta de educação e civismo.

Se alguma dificuldade havia em levar avante a sua empresa, após ser assim abordado, com tamanha rudeza e surpresa, ela terminou logo ali, já que as palavras do polícia foram por assim dizer o “empurrãozito” final. O “parto” estava difícil, raios. Ficamos os três estarrecidos a contemplar aquele quadro. Fonseca, um conhecido ébrio do bairro, era o quadro da indignação digna do artista interrompido na concepção da sua obra e ferido em tamanha violação da sua privacidade. Ali estava ele, bamboleando perigosamente o corpo para a frente e para trás, em difícil equilíbrio, já que nestas ocasiões qualquer par de calças, mesmo de verão, é um empecilho, lembrando aquilo que terão sido os últimos momentos do Colosso de Rodes antes da sua derrocada. A custo, arrastou os pés para a frente, evitando destruir a perfumada escultura, mirando-a, como se de uma obra inacabada de Gaudi se tratasse. A bófia tinha-lhe interrompido aquele momento único de inspiração.

- Lindo serviço, sim senhor!

- Oh Senhor Valente… ia lá eu adivinhar que iam aparecer, logo agora!

- Ao menos ainda atinas; reconheces a merda que fizeste. E agora?

- Agora… agora… aí a velha, que limpe – continuou o artista, acenando com a cabeça para a janela da porteira do prédio.

Entretanto, os moradores começavam a subir os estores. Boa! O artista ia ter público e a julgar pelas caras de incómodo, não tinham sido as melgas quem tinha acordado a vizinhança. O quadro estava montado…

******************************************************************

Um dos moradores, decidiu vir cá abaixo. Trazia um ar de justiceiro, preparado para pôr termo ao “sururu” gerado. Na verdade, por mais que se tente ser discreto para com um ébrio, tal coisa torna-se empresa de difícil feitura; além da forma descontrolada como se exprimem, apresentam quase sempre níveis de decibéis incomodativos que em nada abonam em prol da paz e sossego urbanos, em especial à noite.

-Arre que não se pode pregar olho! Raio Srs. Guardas, não se pode resolver uma borracheira com menos barulho? – o homem, talvez devido à indignação do sonho interrompido pela algazarra, estacou na porta da entrada com ar de quem ia aplicar um correctivo a todos, polícias e garrafão.

- Boa-noite. A borracheira resolve-se… o que está à porta é que vai demorar um pouco mais – replicou Valente, olhando para o fétido presente, acabadinho de pisar pelo irritado senhor, que tanto arrebitara a sua altivez, que ficara com o ângulo de visão demasiado elevado para reparar na obra de arte.

Com uma daquelas vontades de rir às bandeiras despregadas, olhámos para o infortunado cidadão, que nem reacção teve para sair do sítio onde estacionara. O garrafão com pernas, esse olhava aterrorizado, não tanto por ver a sua criação ser espezinhada, mas por ver que a coisa ia sobrar para ele. O homem estava lívido de terror e o morador, verde de raiva. Cheguei mesmo a rezar para que o mesmo não investisse contra o “garrafão andante” já que, se ia ser desagradável conduzir este à esquadra com aquele “perfume”, pior seria ter de intervir para separar ambos caso se pusessem à pancada.

- Agora quem limpa esta porcaria toda!? – gritou o homem, prestes a explodir de raiva.

- Quem não é, sei eu – terão pensado todos os presentes (pelo menos eu pensei).

Entretanto surgira já em cena a inquilina do rés-do-chão, porteira do prédio há muitos anos e que perante tal visão ficou indignada.

- Pois, tinha de ser… tinha de sobrar para a desgraçada! Se fosse comigo, limpava esse calhordas – apontava para o embriagado, que cada vez mais via a sua vida a andar para trás – e havia de ser com a língua!

Qualquer pessoa sensata teria desaprovado tal pena a um condenado e claro, tal acto seria impraticável na presença da autoridade. Bolas, o homem não era nenhum animal! Contudo, conhecendo nós o infeliz, não seria crível que o mesmo se dispusesse a arcar as despesas da transferência da sua obra de arte e naquele momento, pô-lo a limpar o átrio da entrada, seria com toda a certeza, permitir que a sua “escultura” se diluísse e espalhasse pelo resto dos degraus à boa maneira abstracta. Surrealista já era aquela cena. Após alguns minutos de conversa, em lugar arejado e contra o vento, claro está, Dona Palmira, a porteira, ouviu atentamente o que poderiam fazer caso pretendessem apresentar denúncia contra o homem, explicando desde logo a condição de quase indigência em que este vivia e por fim lá condescendeu em limpar o degrau logo pela manhã, mas que não queria ver a brincadeira repetida. O azarado residente, que pisara a poia, atirou os chinelos para o contentor do lixo e lá regressou, a praguejar, para casa, com os restantes moradores, para retomarem os seus sonos. O Valente dirigiu-se ao bêbado. Este estava visivelmente aliviado; de umas palmadas dos moradores já se safara e agora, restava ouvir o que a “justiça” policial lhe iria ditar. E esta foi condescendente, com o pivete que exalava, pouca seria a vontade de os tipos da bófia lhe querem tocar. Após uma daquelas lições de moral, bons costumes e moralidade, das que entram a cem e saem a duzentos, claro está, lá mandámos o “garrafão” seguir à sua vida.

- Vai lá à tua vida e vê se vais tomar um banho.

- Vou já, vou já.

- Agora não te esqueças de tornar a fazer o mesmo e que eu te apanhe – lançou-lhe o Valente, em jeito de despedida e aviso – apanhas tudo para dentro dos bolsos

- Só se não puder – respondeu para si mesmo, entre dentes, esquecendo-se talvez que o seu estado etilizado ampliava a sua voz, ou então, pior que isso, convencido que o cheiro era uma couraça defensiva que afastava a vontade de intervir dos cívicos. Quem não gostou foi o Valente. Revoltado, quando pensava ter resolvido a coisa de forma aceitável, nem se importando sequer com a falta de humildade do infractor perante o facto de o ter safo de uma série de chatices, resolveu então entrar em acção com uma decisão digna de Salomão. Dirigiu-se ao porta luvas do carro patrulha, retirou um par de luvas de borracha, agarrou vigorosamente a “asa” do “garrafão” e arrastou-o até junto da sua obra de arte.

- Ai ele é isso? Então, anda cá! Podes começar a limpar…

- Limpo com quê? Com as mãos? E ponho onde, em cima de si? – respondeu o atrevido e mal agradecido homem, ao qual os vapores de álcool deveria estar a toldar novamente o juízo – limpo com?

- Vais agarrar nisso tudo com as mãos, vais guardar dentro dos teus bolsos e vais pôr-te a andar daqui para tua casa, senão…

- Quer ver que me faz apanhá-la com a boca, não?! – insistiu o ébrio, com um riso desafiador.

O Valente, olhou-o então olhos nos olhos, aguentou firme o pivete, e tal foi a intensidade e frieza das suas palavras, que o outro perdeu o sorriso, como se estivera perante a visão de uma aparição.

- Tens dúvidas?...

O tipo, ao qual o Valente só pretendera dar um último susto, perante a sua arrogância e arrojo, tomou-se de tal pânico, que limpou a entrada do prédio, tal como o Agente lhe ordenara, deixando pouco mais que vestígios para a porteira limpar, pela manhã. Seguiu o seu caminho, sem dizer mais uma palavra, com a sua “arte” na algibeira. Qualquer infractor, na posse das suas faculdades mentais normais, teria levado tão a sério uma ordem de um agente da Polícia. Se ainda restavam dúvidas que o álcool faz-nos tomar atitudes impensáveis, esta esmoreceu de vez qualquer laivo dessas dúvidas.

- Viste aquilo? O tipo é doido!...

- Doido não sei, agora que está bêbado, isso está!...

Sem comentários:

 

ESTE BLOG FOI OPTIMIZADO PARA VISUALIZAÇÃO EM 1024X768 Pixels em Google -Chrome,ver. 24.0.1312.57 m ©COPYRIGHT© de Júlio Vaz de Carvalho. ©COISAS 2004-2015, é um WEBBOLG da responsabilidade do seu autor, o seu conteúdo pode ser reproduzido, sempre que referidas as fontes e autores. Todos os textos, notícias, etc., que sejam da responsabilidade de terceiros (pessoais ou institucionais,serão devidamente identificados, sempre que possí­vel, bem como serão referidos os locais a partir dos quais poderão ser consultados no contexto original.Todos os trabalhos publicados por colaboradores do blog,podem ser copiados e divulgados, sempre que seja indicada a sua origem, não carecendo de autorização dos mesmos, caso aqueles assim o manifestem. COISAS, é um Blog quase APOLíTICO e não se rege por ideias pré-concebidas unicamente apoiando causas de reconhecido interesse para a Humanidade, sempre que elas sejam isentas e objecto de reconhecimento universal que vão desde a luta contra os cocós dos Lu-Lus a minar os passeios à legítima pretenção de ver restaurada a Monarquia em Portugal.

Who Links Here