quinta-feira, outubro 27

O Morcego... (parte I)



Image Hosted by ImageShack.us

Assim que fora dado o alerta, todas as viaturas disponíveis na área se tinham dirigido para o local. A modesta vivenda de uma octogenária estava a ser assaltada e talvez fosse desta que os suspeitos de uma onda de assaltos em residências que assolava a área entre Sete-Rios, Carnide e Benfica fossem finalmente detidos em flagrante.
A casa parecia um castelo sitiado. O cenário, digno de rivalizar com a melhor cena de acção da terra do Tio Sam, intimidava quem passava. Quem quer que estivesse lá dentro não teria hipóteses de escapar. O exterior da casa foi percorrido por vários agentes à procura do local por onde se teriam introduzido os meliantes. Portas e janelas estavam trancadas. Nada de sinais de arrombamento, nem um vidro partido sequer. Um dos agentes decidiu-se bater à porta para confirmar se estaria alguém no interior. Havia sempre a possibilidade de ter sido uma chamada falsa, para brincar com a malta.
- Oh da casa… há alguém? – Almeida, com o seu semblante de polícia duro, era a pura imagem ainda muito usada em alternativa aos novos métodos pedagogicamente aceites contra petizes inquietos ou relutantes ao cumprimento das regras elementares de “compostura”. O homem metia mesmo respeito. As pancadas na porta mais pareciam um maço de carpinteiro a bater na madeira. Do interior, a resposta do silêncio total. O experiente cívico, deu alguns passos atrás e percorreu a área envolvente da casa com um olhar de ave rapina.
- A Central deu alguma indicação mais pormenorizada acerca da ocorrência? – perguntou ele ao colega que se encontrava a seu lado.
- Nada. Só disseram que um indivíduo se tinha introduzido para o interior da casa – respondeu o outro.
- Merda de brincadeiras – voltou o Almeida enquanto varria a área circundante procurando entre algum dos curiosos que entretanto se aproximavam, sinais que indiciassem estar por ali o autor de uma possível brincadeira. – não será caso para arrombar a porta; não me parece que esteja alguém no interior.
Os arvorados dos carros patrulha reuniram-se para decidir o que fazer. Entretanto chegara muita gente curiosa e sedenta de acção; aquele aparato policial prometia acção e eles estavam ali para testemunhar uma cena de “Hill Street” à portuguesa. De entre essa turba de curiosos, sai então uma velhinha, a dona da casa, transportando um saquinho da mercearia, não se apercebendo que a sua modesta casinha era naquele momento uma das mais seguras da cidade. Passou pela assembleia de polícias, cumprimentou-os e apontou a chave à fechadura.
- Boa tarde. É a dona da casa, suponho – disse-lhe Almeida, tentando amenizar o seu semblante pesado com um sorriso.
- Bom dia filho. Oh meu Deus…é a minha casa, é! … – a cara da idosa era uma máscara de desespero; logo ali as lágrimas serpentearam pelas rugas da sua cara, como se de riachos se tratassem – vão pôr-me fora?!... sempre vai abaixo… ai a minha casinha, que vai ser de mim!
- Nada disso, Dona – aliviou de imediato o Almeida – nada disso, esteja descansada. É que disseram que alguém tinha entrado dentro da sua casa, para a roubar. Podemos dar uma espreitadela? Parece que foi falso alarme mas queria tirar dúvidas.
- Façam favor. Podem entrar – condescendeu a velhota, aliviada, como se tivesse ouvido na voz dura daquele polícia a música celestial que deve emanar da voz dos anjos.
Entrámos todos e percorremos aquela casa, modesta mas bem cuidada pela solitária idosa. A sobriedade das únicas três divisões da residência permitiu concluir que não havia muito que roubar, além de não haver muitos sítios onde alguém se pudesse esconder. Passada revista a todas as dependências, apresentaram-se cumprimentos e desculpas pelo aparato e toda a gente se precipitou para o exterior.
Cá fora, a forma descontraída como saíam os polícias fez com que a plateia de curiosos, que mais parecia um “drive-in”, começasse a dispersar, triste por não ter assistido à detenção de um suposto bandido. Que frustração. Contudo, do prédio em construção ali mesmo ao lado, as coisas estavam mais animadas. À laia de 2º balcão, quatro ou cinco operários esbracejavam e apontavam para a casa, vociferando frases que se perdiam no eco das alturas. Estariam defraudados pelo desfecho da cena? Reclamar espectáculos à borla não é coisa muito bem vinda nas hostes policiais. Não fica bem.
- Aqueles tipos ali em cima estão a gozar o panorama – atirou o Almeida, pouco dado a mediatismos.
- Pois, vimos por causa de uma ocorrência de roubo e ainda acabamos por sair daqui com um acidente de trabalho – respondi, observando um dos trabalhadores que, ignorando os cinco andares que o separavam do solo, insistia em apontar para a casa com bastante insistência e aparato.
O Almeida “fervia” com os operários que insistiam no frenesim constante; bolas até parecia que estavam mesmo a provocar. Se algum caísse nas mãos do Almeida, as coisas não seriam agradáveis para o eleito. Foi então que um deles entra para dentro de um balde elevador e o operador da grua fê-lo descer até ao passeio. Pulou para fora e dirigiu-se à força policial com ar grave. Pelo semblante o africano não vinha desafiar a autoridade, antes pelo contrário, a sua face deixava transparecer uma preocupação e horror de quem vira um demónio.
- “Sinhô polícia, inda tá ladrão dentro dus casa” – balbuciou o obreiro no seu “criolês” atabalhoado.
- “Tás a mangar comigo” ou quê? - replicou o Almeida.
- “Virdade, a gente viu ele lá dus cima” – insistiu com firmeza o homem – meteu pelo buraco ali… e não saiu! - apontava para um minúsculo postigo na lateral da casa, que servia de respiradouro da casa de banho.
- Jovem, por ali só um rato é que passa – disse o Almeida rasgando um sorriso.
- Bem, um rato ou um tipo magro, como eu. Desde que passe a cabeça, o resto passa – alvitrei eu, tirando as medidas ao postigo e imaginando-me a entrar pelo mesmo.
- Sempre queria ver – provocou o Guarda Santos, divertido com a situação.
Não perdi tempo. Tirei o blusão, tomei balanço e pulei para o postigo. Debrucei-me para o interior e num ápice estava no interior. Passara à justa, mas comprovara a certeza das testemunhas da obra. Agora tínhamos uma dúvida. Havia marcas de pés pelo sítio por onde eu entrara, mas se as portas e janelas estavam fechadas e o presumível assaltante não saíra por ali, onde estaria ele? A malta da obra jurava a pés juntos que o tipo não saíra. Voltámos assim a rebuscar a casa enquanto que a locatária desfiava um rosário de coisas estranhas que se tinham passado nos últimos meses dentro de casa, tais como desaparecimento de bugigangas, comida, objectos fora do lugar, factos que a mesma atribuía a esquecimentos normais da idade. Uma análise mais atenta revelou pegadas de terra que saíam do quarto de banho em direcção à cozinha, terminando junto ao fogão e pareciam pertencer a um par de sapatilhas.
- Se não saiu, onde estará o “rato”?...
Estranho caso este, digno de análise atenta do perspicaz Varatojo…

(continua)

Sem comentários:

 

ESTE BLOG FOI OPTIMIZADO PARA VISUALIZAÇÃO EM 1024X768 Pixels em Google -Chrome,ver. 24.0.1312.57 m ©COPYRIGHT© de Júlio Vaz de Carvalho. ©COISAS 2004-2015, é um WEBBOLG da responsabilidade do seu autor, o seu conteúdo pode ser reproduzido, sempre que referidas as fontes e autores. Todos os textos, notícias, etc., que sejam da responsabilidade de terceiros (pessoais ou institucionais,serão devidamente identificados, sempre que possí­vel, bem como serão referidos os locais a partir dos quais poderão ser consultados no contexto original.Todos os trabalhos publicados por colaboradores do blog,podem ser copiados e divulgados, sempre que seja indicada a sua origem, não carecendo de autorização dos mesmos, caso aqueles assim o manifestem. COISAS, é um Blog quase APOLíTICO e não se rege por ideias pré-concebidas unicamente apoiando causas de reconhecido interesse para a Humanidade, sempre que elas sejam isentas e objecto de reconhecimento universal que vão desde a luta contra os cocós dos Lu-Lus a minar os passeios à legítima pretenção de ver restaurada a Monarquia em Portugal.

Who Links Here