segunda-feira, agosto 9

VIDA DE CÃO

Hoje, logo de manhã cedo, ao chegar à porta da rua, vi uma cena triste: um pobre cão, vadio, quiçá abandonado por alguém, deambulava perdido e faminto e notava-se nele terror e medo perante o trânsito da estrada. Estas coisas revoltam-me e continuo sem compreender a alma humana. Não tenho cães ou gatos em casa, porque simplesmente não tenho espaço (nem tempo) para a eles poder dedicar a atenção devida. Além disso, não suporto a vaga de montes de dejectos espalhados (à laia de minas)por esses passeios fora, feitos na sua maioria pelos canídeos perante a condescendência dos seus donos (lá em casa deve ser da mesma maneira).
O meu protesto de hoje vai pela forma de um texto, recebido na minha comunidade há já algum tempo, mas que, dada a sua beleza e simplicidade, achei por bem reproduzi-lo aqui. Desconheço o autor, mas ele é um alerta, que dói, só de ler, porque nos reaviva a memória e o sentimento.

Tenham um excelente dia.

DIÁRIO DE UM CÃO

1ª Semana

Hoje completei uma semana de vida. Que alegria ter chegado a este mundo!

1 Mês

A Minha mãe cuida muito bem de mim.
É uma mãe exemplar!

2 Meses

Hoje separaram-me da minha mãe.
Ela estava muito irrequieta e, com seu olhar, disse-me adeus.
Espero que a minha nova "família humana" cuide tão bem de mim como ela o fez.

4 Meses

Cresci rápido, tudo me chama a atenção.
Há várias crianças na casa e para mim são como "irmãozinhos ".
Somos muito brincalhões, eles puxam-me o rabo e eu mordo-os na brincadeira.

5 Meses

Hoje deram-me uma bronca. A minha dona ficou incomodada porque fiz xixi dentro de casa. Mas nunca me haviam ensinado onde deveria fazê-lo.
Além do que, durmo no hall de entrada. Não deu para aguentar.

8 Meses

Sou um cão feliz! Tenho o calor de um lar; sinto-me tão seguro, tão protegido... Acho que a minha família humana me ama e me dá muitas coisas. O pátio é todinho para mim e, às vezes, excedo-me, cavando na terra como meus antepassados, os lobos quando escondiam a comida. Nunca me educam... Deve ser correcto tudo o que faço.

12 Meses

Hoje completo um ano. Sou um cão adulto. Os meus donos dizem que cresci mais do que eles esperavam. Que orgulho devem ter de mim.

13 Meses

Hoje acorrentaram-me e fico quase sem poder movimentar-me até onde tem um raio de sol ou quando quero alguma sombra. Dizem que vão me observar e que sou um ingrato.
Não compreendo nada do que está a acontecer.

15 Meses

Já nada é igual... moro na varanda. Sinto-me muito só. A Minha família já não me quer!
Às vezes esquecem-se que tenho fome e sede. Quando chove, não tenho tecto que me abrigue...


16 Meses

Hoje tiraram-me da varanda. Estou certo de que a minha família me perdoou. Eu fiquei tão contente que pulava com gosto. O meu rabo parecia um ventilador. Além disso, vão
Levar-me a passear!!
Dirigimo-nos para a estrada e, de repente, pararam o automóvel. Abriram a porta e eu desci feliz, pensando que passaríamos o nosso dia no campo. Não compreendo porque fecharam a porta e se foram. "Ouçam, esperem!" Ladrei......esqueceram-se de mim....... Corri atrás do carro com todas as minhas forcas. A minha angústia crescia ao perceber que quase perdia o fôlego. Eles não paravam. Haviam-me esquecido!

17 Meses
Procurei em vão achar o caminho de volta ao lar. Estou só e sinto-me perdido! No meu caminho existem pessoas de bom coração que me olham com tristeza e me dão algum alimento. Eu agradeço-lhes com o meu olhar, desde o fundo da minha alma. Eu gostaria que me adoptassem: seria leal como ninguém! Mas apenas dizem: " pobre cãozinho, deve ter-se perdido."

18 Meses

Um dia destes, passei perto de uma escola e vi muitas crianças e jovens como os meus "irmãozinhos"; aproximei-me e um grupo deles, rindo, atirou-me uma chuva de pedras para ver quem tinha melhor pontaria. Uma dessas pedras, feriu-me o olho e desde então,
não vejo com ele.

19 Meses

Parece mentira. Quando estava mais bonito, tinham compaixão de mim. Já estou muito fraco; meu aspecto mudou. Perdi o meu olho e as pessoas mostram-me a vassoura quando pretendo deitar – me numa pequena sombra.

20 Meses

Quase não posso mexer-me! Hoje, ao tentar atravessar a rua por onde passam os carros, um acertou-me! Eu estava no lugar seguro chamado "calçada ", mas nunca esquecerei o olhar de satisfação do condutor, que até se vangloriou por acertar-me. Oxalá me tivesse matado! Mas só me deslocou as patas traseiras! A dor e terrível! As Minhas patas traseiras não me obedecem e com dificuldade arrastei-me até a relva, na beira do caminho. Faz dez dias que estou em baixo do sol, da chuva, do frio, sem comer. Já não posso mexer-me! A dor é insuportável! Sinto-me muito mal, fiquei num lugar húmido e parece que até o meu pêlo está a cair... Algumas pessoas passam e nem me vêem; outras dizem: "não te chegues perto". Já estou quase inconsciente; mas alguma força estranha me faz abrir os olhos. A doçura de sua voz fez-me reagir. "Pobre cãozinho, olha como te deixaram ", dizia... com ela estava um senhor de avental branco. Começou a tocar-me e disse: "Sinto muito senhora, mas este cão já não tem remédio. É melhor que pare de sofrer". A gentil senhora, com as lágrimas rolando pelo rosto, concordou. Como pude, mexi o rabo e olhei-a, agradecendo-lhe que me ajudasse a descansar. Somente senti a picada da injecção e dormi para sempre, pensando em porque tive que nascer se ninguém me queria...


Amigos, a solução não é abandonar um cão na rua mas sim educá-lo. Não transformem em problema tão grata companhia. Ajudem a abrir a consciência dos ignorantes e, assim, poder acabar com os maus-tratos aos animais, especialmente com o problema de cães e gatos de rua."


Publicado em várias comunidades msn/groups

Sem comentários:

 

ESTE BLOG FOI OPTIMIZADO PARA VISUALIZAÇÃO EM 1024X768 Pixels em Google -Chrome,ver. 24.0.1312.57 m ©COPYRIGHT© de Júlio Vaz de Carvalho. ©COISAS 2004-2015, é um WEBBOLG da responsabilidade do seu autor, o seu conteúdo pode ser reproduzido, sempre que referidas as fontes e autores. Todos os textos, notícias, etc., que sejam da responsabilidade de terceiros (pessoais ou institucionais,serão devidamente identificados, sempre que possí­vel, bem como serão referidos os locais a partir dos quais poderão ser consultados no contexto original.Todos os trabalhos publicados por colaboradores do blog,podem ser copiados e divulgados, sempre que seja indicada a sua origem, não carecendo de autorização dos mesmos, caso aqueles assim o manifestem. COISAS, é um Blog quase APOLíTICO e não se rege por ideias pré-concebidas unicamente apoiando causas de reconhecido interesse para a Humanidade, sempre que elas sejam isentas e objecto de reconhecimento universal que vão desde a luta contra os cocós dos Lu-Lus a minar os passeios à legítima pretenção de ver restaurada a Monarquia em Portugal.

Who Links Here